7 de maio de 2012

Corrida Dona Estefânia


Ontem participei na Corrida Dona Estefânia, uma prova de carácter solidário, em que a receita reverteu a favor da Liga dos Amigos do Hospital Dona Estefânia, em Defesa de um Hospital Pediátrico em Lisboa.
A par da corrida principal, os 10km, existia também um percurso de 3km, para que toda a família pudesse participar. A Caminhada estava cheia de Mães e crianças. Nada mau, passar uma bonita manhã de domingo, a fazer exercício, junto ao rio, na companhia da respectiva Mãe.




Esta prova foi a razão de ter adiado a inscrição na Corrida do Benfica até às últimas, porque inicialmente também já estava inscrita na prova de 11km da Corrida da Liberdade. Ora, três provas no espaço de tempo de 2 semanas, mesmo havendo quem acreditasse que eu era capaz (obrigada pela confiança, gentis leitores), eu ainda estava com a moral em baixo da minha última prova (aquela-que-não-deve-ser-nomeada). Então, dia 25 de Abril participei na mesma na Corrida da Liberdade, mas alterei para o percurso B, de 5km, e no dia 29 de Abril participei na Corrida do Benfica, que, clubismos à parte, gostei muito.

E ontem, já imbuída da confiança recém adquirida pela aproximação da 1h aos 10km, lá fui até Alcântara, para mais uma prova e, melhor ainda, solidária, que eu sou uma pessoa que gosta de contribuir para boas causas com  seu dinheiro mas, sobretudo, com sofrimento físico (ahah).

A caminho da Partida.

Café?
Deixem-me primeiro explicar-vos como começou o meu dia, para entenderem o meu estado de espírito. Acordei às 8h e fiz as coisas com calma, convencida que a prova começava às 10h30. Já perto das 9h, não sei que santinho me sussurrou ao ouvido mas pensei "deixa-me cá confirmar o horário de início da prova e onde é a partida, para ver qual o melhor sítio para deixar o carro"... Pois. Afinal a prova começava às 10h00 e eu já estava atrasada. De minha casa até Alcântara ainda demoro um bocadinho e para piorar ainda tinha de levantar o dorsal. Detesto sair assim a correr.
Cheguei às 9h35, menos mal, mas estavam filas enormes para levantar os dorsais e ainda outra para levantar as t-shirts (que, em último caso, podia sempre levantar depois). Estava há uns bons 5 minutos na fila quando oiço: "atletas, para levantarem os dorsais têm primeiro de confirmar o vosso número na lista afixada no sítio tal e tal". Duh! É claro. Nem sei como não me lembrei nisso, até parece que não é esse o sistema em quase todas as provas nem nada... Enfim. A senhora atrás de mim na fila foi simpática e guardou-me o lugar. Dorsal e t-shirt na mão às 9h50 da manhã, prova superada.

Ainda houve tempo para descansar alongar um bocadinho!
Olá Margem Sul.


Quase 10 horas e dirijo-me para a zona da partida (desta vez, sem xixizinho, porque só havia casas-de-banho portáteis... e para isso já me bastaram as dos festivais de verão da minha juventude. Porque agora sou velha, claro. )


Mas ainda havia muita gente a levantar os dorsais... Atletas da Corrida mais para a frente, atletas da Caminhada mais para trás, ainda estivemos ali um bom tempo ensardinhados, até se ouvir o tiro de partida às 10h15.

Agora vou partilhar com vocês o meu plano para estes dez quilómetros, porque eu tinha um plano, e bom, como já vão perceber. O meu plano era: fazer a corrida toda a sorrir. Espectacular não é? Antes que pensem que sou maluquinha (mais), esta ideia não é original e foi escandalosamente roubada à minha "ídola", a Chrissie Wellington, vencedora de quatro Ironman, e famosa por fazer essas provas fisicamente brutais sempre a sorrir.
Dias antes, tinha assistido ao vídeo da famosa prova de 2008, em que ela venceu pela segunda vez, estabelecendo um novo recorde nos 42km de corrida, mesmo depois de ter tido um problema durante a prova de bicicleta, que a fez perder uns bons minutos e ser passada por várias adversárias. Ela não só as tornou a passar, como lhes deu uma abada, e sempre de sorriso no rosto. Isto é que é classe.

E como eu sou praticamente uma Chrissie Wellington, resolvi fazer o mesmo. Deixem-me que vos diga, manter um sorriso durante os primeiros quatro, cinco quilómetros de uma prova, é relativamente fácil. Depois, sorrir enquanto se tenta respirar pelo nariz, boca, orelhas e tudo o que ajude a entrar mais oxigénio, já não é assim tão simples... Tenho a certeza que o meu sorriso mais se deveria assemelhar a um esgar demente, mas ninguém fez comentários maldosos, por isso acho que ninguém reparou (ou espero que ninguém tenha reparado).

O percurso, apesar de plano mais plano não haver (iupi), era de ida e volta, em duplo "U", (Av. de Brasília direcção 24 de Junho, depois voltar para trás até perto da Torre de Belém e novamente voltar para trás, até à primeira curva, para voltar até à Meta/Partida.

Parece só uma linha, mas são 3 ou 4 sobrepostas.


Este tipo de provas são muito difíceis, psicologicamente, para mim. Custa muito "correr para trás", sabendo que tens de voltar, e veres a Meta ali já ao lado, pessoas a terminar, pessoas sentadas na relva, já a descansar, mas ainda teres de correr uns dois quilómetros na direcção oposta.

Mas aguentei-me à bronca, e sempre a sorrir, aqui vamos nós!

Outra particularidade: desta vez, não quis "levar relógio" (Ou melhor, levei, mas sem ligar cronómetros). Fico sempre muito nervosa com os números. Sei que se vir uma velocidade que considero muito elevada para mim (tudo o que seja abaixo de 6min/km), abrando, mesmo que me esteja a sentir bem. Da mesma forma, se vir uma velocidade fraquinha, deixo-me ir abaixo. Por isso, dei folga ao meu relógio, mas certifiquei-me de que ficava alguém a controlar o meu tempo, obviamente, que eu era uma mulher em missão, e essa missão era baixar da 1 hora ou morrer a tentar (não exageremos, era mesmo só baixar da 1 hora, se fosse possível).

Como já tinha dito acima, até ao km5 a prova e o sorriso decorreram sem dificuldades de maior.
No km2, vejo passar um pigmeu (=criança de não mais do que 5 anos ou então muito pequenina), que voava para a Meta da Caminhada, aos 3km. Começou tudo a rir-se, do género "estamos a ser ultrapassados por uma criança de meio metro, disfarcem". Hilariante e muito motivador.

No km5 estava o abastecimento, com voluntários simpáticos e sem congestionamento (esta prova tinha muito menos gente que a do Benfica e estava à vontade, quase solitária em alguns troços). O km6 e o km7 foram razoáveis, e ainda contei com o apoio de divertidos utentes da linha do comboio de Cascais, que aguardavam na estação de Belém e aplaudiam e encorajavam quem passava a correr (obrigada utentes da Linha de Cascais, estão cá dentro).

Mais ou menos a meio do km7, a Meta está mesmo ali ao lado, mas temos de continuar a correr em frente. Muito difícil. O sorriso esmoreceu, mas não saiu. Continuava a passar algumas pessoas, e sabia que devia estar a fazer um bom ritmo, só não sabia qual. Continuava sem olhar para o relógio. Até que, ao km9, o meu "controlador" me vem dizer o tempo... e aí o meu sorriso ficou mais forte. Aquele último quilómetro pareceu-me interminável, foi uma grande batalha, mas não abrandei.

E eis que, Meta.

59:00.

59 minutos certinhos.

O meu objectivo está cumprido, já posso reformar a minha carreira desportiva.
Não, este NÃO é o meu braço.
(Só para o caso de terem dúvidas...)

Vou confessar-vos que, quando cortei a meta e me mostraram o tempo, não estava ainda completamente convencida. Tive de ir perguntar a um rapaz que terminou antes de mim e que vi que tinha um Garmin, quantos quilómetros marcou, porque pensei que talvez esta prova não chegasse aos 10km (chegou: ele disse-me que eram 10.090 e em casa confirmei que andava por aí). Depois, disse-me também que os km 8 e km 9 estavam mal assinalados, e por isso, também, é que o último quilómetro pareceu interminável.


Fiquei tão feliz! Baixar da 1hora, é como uma meta mental, mesmo que fossem 59:59, eu ficava contente. É que agora eu sei que sou capaz. Ok, a corrida era fácil, plana e o tempo colaborou, sei que devo muito deste tempo a isso. Também sei que nem sempre vou ter estas condições ideais e alguma vez este ciclo de recordes consecutivos vai ter de terminar (ohhhhh). Mas fiz a minha primeira prova de 10km há pouco mais de quatro meses, em 01:09:00 (que, apesar do tempo, foi a prova que gostei mais e me senti melhor) e hoje baixei exactamente 10 minutos.

Estava tão feliz que, quando cheguei a casa dos meus pais e esborrachei a minha mãe num abraço,  sugeri que mandar imprimir e emoldurar a foto do relógio com o minuto 59 seria uma excelente prenda do dia da Mãe, mas ela não se mostrou muito interessada... Não entendo.


Aspectos positivos da prova:
- T-shirt "técnica" (o que não estava a contar, por ser uma prova solidária).
- Voluntários simpáticos e disponíveis.
- Civismo dos atletas da Caminhada, que se deixaram ficar bem lá para trás na linha de partida, de forma a não atrapalharem a Corrida (o que nem sempre acontece).

Aspectos negativos da prova:
- Filas enormes para os dorsais, que só podiam ser levantados no próprio dia (o que resolveria se todas as pessoas chegassem mais cedo, o que nunca vai acontecer), e que acabaram por atrasar a partida.
- Não haver controlo de chip na partida nem em nenhum outro local durante a prova (pelo que qualquer pessoa poderia cortar caminho e aparecer à frente nas classificações).
- Não haver relógio na Meta (eu vi o carro que fazia o controlo a passar por mim já no km9, indo sabe-se lá onde, se calhar para outra das mil corridas que se realizaram ontem) e marcava os 56 minutos de prova. Não tornou a ser visto.

E o percurso também não me agradou muito, mas isso já é uma preferência pessoal.

Tendo em conta o tipo de prova que foi, o balanço não é mau. A atitude dos voluntários e restantes atletas faz muito do ambiente que se vive.


Para terminar, atletas, deixo-vos com sugestões para melhorarem os vossos tempos (de uma fonte muito suspeita e amadora):

- Façam a prova SEMPRE a sorrir (esta sugestão não é assim tão suspeita porque também resulta com a Chrissie "aka the Machine" Wellington).

- Não levem relógio (se se atreverem...) ou, pelo menos, resistam a olhar para ele.

T-shirt e medalhão.

Medalhão muito giro.



E é assim que a Corrida Dona Estefânia, do dia 6 de Maio de 2012, vai ficar para sempre conhecida como a prova em que bati a meta mental da 1 hora e fi-lo sempre de sorriso imbecil na cara.


Fim.

13 comentários:

  1. Uau!Parabéns!! :D
    eu só tenho de arranjar uma forma melhor de comer a aveia (para não ficar com fome.. )

    Se não estivesse este tempo hoje também ia correr! Agora estou tipo barata tonta sem saber o que fazer.. talvez eliptica :)

    Beijinhoo e obrigada pelo coment!

    ResponderEliminar
  2. Olá :D

    Muitos parabéns :D Realmente é um facto que a nossa mente é muito importante para as nossas vitórias, mais até do que o nosso corpo :D Eu sabia que conseguias ;)

    Mais uma vez muitos parabéns :D

    É verdade, acho que nunca cheguei a responder à tua questão, mas a aletria cozinhada como a massa é óptima :D Não sei se é melhor do que a aletria doce porque nunca comi aletria doce (pausa para abrires a boca de estupefacção) :P Mas salgada parece realmente a massa chinesa, e foi assim que começámos a fazê-la cá em casa :D

    Beijinhos e mais uma vez os meus parabéns :D

    ResponderEliminar
  3. yeaaahhh és potente! ;)

    ResponderEliminar
  4. Grandes videos motivacionais estas a ver.. grande amigo quem partilhou os ironman´s loool

    Agora é planear a primeira meia maratona.. planear para acabar.. e depois pensa na segunda meia maratona em menos de duas horas.. essa em março de 2013..

    ;)
    Parabens .. e eu nunca levo relogio para as provas :D

    ResponderEliminar
  5. Nainho: lool é verdade! :) Fazes bem em não levar relógio, elimina muita da pressão!
    Meia acho que só para o ano mesmo, porque não vou estar por cá para treinar como deve de ser para este ano... Mesmo havendo alguma em Dezembro (que ainda não vi se há), só teria 2 meses para me preparar depois de uma pausa forçada de 1 mês, não sei se é suficiente...

    Obrigada!

    ResponderEliminar
  6. eu farto me de rir com as tuas descrições ! sinto o teu sofrimento ( fingido ) hehehe pq tu és uma grande atleta! mais uma para a colecção hein !? ainda por cima solidária e numa bela manhã de sol! o teu corpixo só agradece por isso n te queixes :P tb queria correr assim ! mas a vontade ?? lol correr na rua é mt mlhr, no gym é smp horrível lol

    p.s. faz a depi aos braços sff hehehe

    ResponderEliminar
  7. Bem, gosto muito dos teus relatos e das fotos :-)
    E estás mesmo de parabéns, pela tua força e pelo que alcançaste, muito para além da meta.
    Estás no bom caminho e agora toca a continuar ;)
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  8. Que poderosa! :D Parabéns! :)

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  9. Estou sempre a repetir, mas quem fica com um "sorriso imbecil" ao ler os teus posts sou eu! O meu homem às vezes pergunta-me : "porque é que te estás a rir para o pc?"
    Gosto mesmo de ler os teus textos. Parece que estamos lá!
    Parabéns pelos 59!(eu desejei-te um 59:59 e ainda fizeste melhor que isso!!!) Não percebo porque é que a tua mãe não se entusiasmou com a fotografia!!???
    Beijos

    ResponderEliminar
  10. Ainda me lembro da alegria que senti na 1ª vez que corri 10 km em menos de uma hora. Parabéns.

    ResponderEliminar
  11. Olá, parabéns pelo tempo :).

    Este tipo de provas são muito difíceis, psicologicamente, para mim. Custa muito "correr para trás", sabendo que tens de voltar, e veres a Meta ali já ao lado, pessoas a terminar, pessoas sentadas na relva, já a descansar, mas ainda teres de correr uns dois quilómetros na direcção oposta.

    Isto é algo comum, acontece a muita gente. Uma prova grande em que isto acontece é a Meia-Maratona da Ponte 25 de Abril. Passa-se em frente aos Jerónimos com cerca de 15 km e depois há mais 6 para fazer (uns 3 em direcção a Algés e outros 3 de regresso aos Jerónimos). É uma treta.

    ResponderEliminar
  12. Olá,
    Primeiro que tudo, PARABÉNS!!!
    Fazes muito bem em estar eufórica com o ultrapssar de mais uma barreira, seja 1min ou 1 seg, o que interessa é que ultrapassaste e isso deve ser comemorado para que possas ter algum proveito nos objectivos que alcanças. O melhor disto tudo, é que se conseguiste uma vez, certamente conseguirás repetir a proeza basta acreditares.
    Também não sou fã de passar ao lado da meta e ter de fazer mais alguns km´s para lá chegar, mas a vida é mesmo assim, se fosse um mar de rosas não tinha gozo nenhum e acredita que se numa prova de 10km´s isso custa iamgina numa meia maratona ou numa maratona como já me aconteceu.

    Força e bons treinos
    Filipe Fidalgo
    http://www.corredordedomingo.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  13. Muitos parabéns "menina". Gostei da parte em que dizes " Tenho a certeza que o meu sorriso mais se deveria assemelhar a um esgar demente". Sei perfeitamente o que queres dizer, tenho fotos de algumas provas em que estava realmente a sorrir mas olhando para a foto tenho um ar bastante estranho.

    ResponderEliminar