23 de agosto de 2012

A corrida em que fui atacada por uma árvore

 
Na quarta-feira o meu plano marcava 12km - Fortalecimento. Como não me apetecia fazer o mesmo percurso do jogging de terça, saí de casa e fui a correr até ao parque de que já vos falei antes.
 
Fotografia deste post.
 
Este parque tem a particularidade de ficar numa colina, com um trilho circular a toda a volta, o que significa um constante agora-sobe-e-agora-desce, com atalhos em estrada ou terra batida opcionais pelo meio.
 
Escolhi este local, não só para incorporar algumas subidas no treino, mas também pelas sombras oferecidas pelo extenso arvoredo. -> Este é um aspecto positivo das árvores, já passarei ao negativo.
 
 
Não ia muito confiante para este treino, estive a engonhar no sofá até às últimas (o meu objectivo até ao final das férias é fazer uma mossa permanente no sofá com o formato do meu corpo estendido) e sentia as pernas cansadas. Foi preciso algum debate mental, sobretudo por se tratar de um treino em que teria de correr um pouco abaixo da minha velocidade de conforto.
 
Já reparei que ultimamente vejo "16km - ritmo confortável" no meu plano de treinos para o dia e fico logo YUPIII!, mas se vir "8km - ritmo rápido" fico logo OH NÃOOO.... Prefiro, sem dúvida, treinos longos e lentos do que treinos de velocidade. Sei que tenho de aguentar-me à bronca, correr e calar, mas não gosto. O meu coração é ultra-maratonista, o meu corpo é que ainda não chegou lá.
 
E vocês, preferem treinos longos ou de velocidade?
 
Adiante. Como estava a dizer, tive de me aguentar e fazer os 12km ao ritmo pretendido. Não dava nada pelas minhas pernas nesse dia mas, surpreendentemente, passados 2km entraram no ritmo e as coisas até estavam a ser... fáceis! O único ponto negativo foi durante os primeiros quilómetros sentir "algo estranho" no joelho esquerdo. Não era a dor da outra vez, mas uma sensação esquisita. Já não me acontecia há algum tempo, desde antes de ir de férias, e já notei que a tendência é manifestar-se nos treinos mais rápidos. Entretanto acabou por desaparecer, mas por via das dúvidas voltei a pôr gelo depois dos treinos (coisa que não fazia na Serra porque tinha nas ribeiras um banho gelado natural de recuperação).
 
Bom, continuando, tudo estava a correr bem e sentia-me uma Dulce Félix em potência quando, a passar por um carreiro, sinto uma pancada forte e bicuda de algo que me passa a rasar a orelha e aterra no meu ombro direito... Fiquei logo em estado de alerta: "Oh Meu Deus, masoquéquéisto? Atiraram-me uma pedra? Está alguém atrás de mim a atacar-me? Vou ser assaltada em plena luz do dia e com um casal de velhinhos sentados num banco a cerca de 50 metros!!! Será que consigo chegar lá antes de me agarrarem? Estas coisas só me acontecem a mim, porque é que não fiquei no sofá...".
 
Tinha o coração a mil quando olhei para trás e deparei-me com... NADA. Estavam umas crianças a brincar na zona de baloiços, mas não teriam força para mandar nenhuma pedra  àquela distância. Algumas pessoas faziam ginástica nas máquinas de manutenção, mas nenhuma com ar suspeito de atirar pedras a corredoras incautas... Olho para o casal de velhinhos e.estão.a.rir-se. Estão a rir-se DE MIM. E aos meus pés está uma pinha de 5 quilos.
Eu tinha sido atacada por uma árvore. Um pinheiro atirou-me com uma pinha. Em frente a público. Que se estava a rir de mim.
O que é que eu fiz? Ri-me também, rezei para que associassem a minha cara vermelha de embaraço ao esforço da corrida e continuei, voando para longe do cenário da minha vergonha.
 
Isto sim, só a mim, mesmo.
 
Se tivesse uma lareira tinha trazido a pinha e pegado-lhe o fogo. Toma lá que é para aprenderes. E eu que sou sempre tão pró-ambiente e as árvores são nossas amigas, vamos abraçar as árvores e depois fazem-me uma coisa destas. Hoje ainda me dói o ombro quando lhe toco. Podia ter-me caído a pinha na cabeça. Podia ter ficado inconsciente e as únicas testemunhas que me poderiam prestar auxílio iam estar demasiado ocupadas a rir-se da minha cara.
Al Gore, temos de ter uma conversa.
 
 
Concluindo. Se ignorarmos esta situação que quero esquecer, foi um bom treino. Mantive-me sempre no ritmo esperado e os 12km passaram-se num instante.
 
Treino de quarta:
 
Final da tarde
Sol
Distância: 12km
Fortalecimento
Bpm médio: 167 (-> também influenciado pela taquicardia do incidente, de certeza)
Calorias: 750
 
 
A reter: quando forem treinar para "o meio do mato", o maior perigo vem de cima, estejam atentos.
 
 
 
Para recuperar do trauma fui jantar a casa dos meus pais e, como "acompanhamento", comemos cherovias.
 
 
 
Já ouviram falar em cherovias? É uma raiz cultivada na região da Serra da Estrela (foi de lá que eles as trouxeram) e a melhor forma de a descrever é: se uma cenoura e um nabo acasalassem, o filho seria uma cherovia. Tem o aspecto de uma cenoura gorda e branca e o sabor é muito semelhante a esta. Pode utilizar-se em guisados e sopas, mas a forma em que mais gosto de a comer é a mais saudável possível: frita. ;) Um dia, quando tiver uma casa com mais de 10 m2 de diâmetro, convido-vos a todos para experimentarem esta iguaria.
 
Pronto, com este prato típico finalizo a história do dia em que fui atacada por um pinheiro.
 
 
Já tiveram alguma situação insólita/engraçada/assustadora durante algum dos vossos treinos ou passeios?
 
 
 

20 comentários:

  1. nunca provei isso mas tem bom aspeto ;p eu também prefiro correr muito mais calmamente do que treinos rápidos... mas são os que custam mais e os que fazem melhor ;p

    ResponderEliminar
  2. quanto à pinha, deixa lá. já vi uma cobra enquanto corria. ganhei? ;p

    ResponderEliminar
  3. Hermione: Ver uma cobra era um dos meus maiores medos quando treinei lá na terrinha! As cobras são horríveis, mas os pinheiros são traiçoeiros... ganhas por pouco! ;) Bjs!

    ResponderEliminar
  4. Olá

    Obrigada pelas tuas palavras. Desculpa mas achei divertido teres sido atingida por uma pinha. Ainda por cima com 5 kgs, devi ser algum fenómeno do Entroncamento.

    Não conheço cherovias, mas a tua descrição de cruzamento de plantas deixou-me perfeitamente elucidada.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. olá
    já tive bastantes situações insólitas. Já me fugiram várias cobras por entre os pés ( não sei quem se arrepiou mais ,eu ou elas)...mas a mais engraçada foi eu ter de parar num carreiro no meio da mata densa do buçaco por alguns minutos ( junto a uma àrvore)para que uma mãe javali e as suas três crias sarapintadas se dignassem a sair do caminho por onde eu deveria passar...

    ResponderEliminar
  6. Olá. Pessoalmente também não gosto muito dos treinos rápidos. Mas tem que ser, são importantes para a melhoria do tempo. Nunca fui atacado por uma pinha. Deve ter sido engraçado. Não para ti, claro.

    ResponderEliminar
  7. Ema: "5 kg" é exagero pós-traumático... ;) Quando fores passear para aqueles lados tens de pedir um prato com cherovias! Boas férias**

    Sam: Eu acho que preferia os javalis às cobras! Já vi alguns javalis também, mas sempre à distância (este ano não vi nenhum), desde que não estejam enfurecidos... tudo bem! :)

    vgoncalves: Depois da Meia vou fazer séries, tem de ser! Quero melhorar o meu tempo aos 10km. Pois... foi mais engraçado para o casal do que para mim, mas não podia dar parte de fraca. :)

    ResponderEliminar
  8. eu só vi ratos a subirem palmeiras. lool

    ok... estou a imaginar uma cenoura e um nabo a acasalarem. o curioso disto é que: é O nabo, e A cenoura. eu imaginava mais depressa a cenoura sendo o gajo, e o nabo ser a gaja... se calhar no mundo vegetal os generos sao ao contrario... :P

    Beijinhos grandes e continuação de bons treinos :D
    (isto que fique bem claro: sou tua fã assumidissima)

    ResponderEliminar
  9. ahaha desculpa minha querida, mas acho que como o casal de velhinhos também me iria rir um bocadinho de ti :p
    Acho que a coisa mais insólita que me aconteceu enquanto que caminhava ou corria foi ver pequenas cobrinhas a atravessarem-me o caminho :)
    Desconhecia por completo as cherovias e adorei saber que são as filhas da cenoura com o nabo ahaha
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  10. Também prefiro treinos longos a treinos rápidos. Já quando é para fazer séries digo "Que bom...", no tom mais monotono possivel.

    Quanto a insolitos durante o treino, acho que o pior foi ter uma ratazana a passar entre as pernas. Ou então quase ter apanhado com um melro na tola.

    ResponderEliminar
  11. ahahahahahahahahaahahahah

    ResponderEliminar
  12. Hello!
    *Acho que tens de trocar o teu sofá pelo meu que não tem mossa nenhuma. Não sento lá o ass, há uns belos 15 dias...
    *Ataque - o meu maior receio é ser atacada por caes violentos. Desde que tenho o Pompy, perdi o medo generalizado por cães, mas quando ouço aquelas noticias "atacada por um cão...desfigurada...morta", começo logo com pensamentos (nada trágica!!)
    *Frita é sem duvida a maneira mais saudavel de ajudar o colesterol e afins, mas não duvido que fique boa!
    *Quando estava a actualizar o separador do blog LIVROS lembrei-me de ti! Talvez por também gostares de bibliotecas.
    *Transmiti recado à Xi.
    Beijinhos...

    ResponderEliminar
  13. Também prefiro treinos mais longos.
    Mas às vezes dá-me uma coisa e parece que tou com a pica toda e nessa altura até sabe bem um treino mais curto e mais rápido.

    Quanto à pinha: Hehehe :P
    Em Monsanto já me aconteceu cair um ramo (pequenino) mesmo à minha frente.
    Também comecei logo a fazer filmes e a pensar que alguém me queria atacar. Mas olhei para todos os lados e não vi ninguém.
    Acho que quando corremos no meio da natureza estamos sujeitas a estas coisas.

    Bons treinos!

    ResponderEliminar
  14. Batata: Agora que falas nisso, a cenoura é decididamente o "gajo" e o nabo "a gaja". ;) Lembro-me desse episódio do rato alpinista! Bjs

    Lady V: Estou a ver que as cobras são recorrentes... :S Bjs

    kayro: Ratazana??! Deves ter batido o recorde de velocidade, então! Eu batia... :) O meu irmão também já foi atacado por um pássaro.

    Pypoca: ;)

    Luciana: Não tenho medo de cães, mas também nunca tive nenhuma má experiência enquanto corria, geralmente são amistosos. Já alguns donos... nem tanto. :) Este ano não tenho lido tantos livros como gostaria, ainda estou a acabar um dos que levei para férias. Beijinhos!

    Isa: Temos de estar atentos à natureza envolvente. Não há carros, mas há outros perigos! ;) Bjs

    ResponderEliminar
  15. Eheheheh!! Deves ter apanhado cá um cagaço! Lembrei-me de ti nas férias, em Espanha há máquinas dessas que falas em cada espacinho verde. Tenho pena que aqui no norte não seja assim tão comum... Beijo

    ResponderEliminar
  16. Ás vezes acontecem situações em nossas vidas que são simplesmente improváveis..Bjs.Sandra

    ResponderEliminar
  17. Adorei o ataque do pinheiro. :-) Parabéns pelo teu empenho, mesmo em período de férias. Gosto de ler o teu blog pois é uma fonte de motivação e de inspiração. Obrigada.

    ResponderEliminar
  18. Obrigada Maria! Beijinhos e boas férias! ;)

    ResponderEliminar
  19. Ahahaha! x) Adoro a tua forma de escrever, farto-me de rir :D
    Acho que nunca tive assim nada de muito insólito... Mas eu não treino muito ao ar livre... É mais em casa, e no ginásio. MAS, já me aconteceu o meu PT quase me largar a barra em cima da cabeça porque passou uma babe semi-nua e toda transpirada ao lado. Mas a tua história do ataque da árvore é muito mais gira :D

    ResponderEliminar
  20. Joana: Uma barra?? Que perigo! O pobre do homem ficou logo desnorteado, coitado. :) Até porque sendo PT não se deve fartar de ver gajas bouas e suadas a toda a hora... ;p Bjs

    ResponderEliminar