17 de janeiro de 2013

Um elefante com asas (ou porque corro #2)

-  "Porque corres tanto?". Já ouvi esta pergunta algumas vezes. Reparem que o "tanto" aqui é referido por alguém que nem para apanhar os transportes públicos corre. Se o autocarro já estiver a assinalar a manobra de partida, em vez de apressar o passo e esbracejar, para chamar a atenção do motorista, ela encolhe os ombros, senta-se na paragem e puxa de um cigarro.
Também temos as versões "Muito corres tu, mulher", "Andas a treinar para Rosa Mota?" ou "Já estás magrinha, não precisas". São as mesmas pessoas que depois de uma prova me perguntam em que lugar fiquei, em vez de quanto tempo fiz.
Quem está por fora, não entende que já não é uma questão de perder peso e de melhorar a saúde. Também é para ser mais saudável, sim, mas para isso podia correr apenas 5km três vezes por semana que fazia o mesmo efeito e não sobrecarregava articulações. Também não é uma questão de ganhar. Nem nunca poderia ser. Pelo menos, no sentido de vencer os outros. Por isso, quando me perguntam em que lugar fiquei rio-me sempre, sei que é uma pergunta válida e bem-intencionada, mas a verdade é que a maior parte das vezes nem sei em que lugar fico, só sei se fiz mais ou menos segundos/minutos que na última prova de igual distância. Entro em competições para me ganhar a mim, mas também não é por isso que corro.

Poderia, e é geralmente isso que faço, dar a resposta curta: porque gosto.
Como muitos outros, gosto de sair em dias bonitos, dias menos bonitos, sentir a chuva ou o sol tocarem-me na cara e o impacto dos pés a avançarem sobre os trilhos ou asfalto. É um cliché piroso, mas faz-me sentir viva.
 
Mas sejamos sinceros, aquelas corridas mágicas em que ó-meu-Deus tudo é lindo e nos sentimos a voar não são assim tão frequentes. São mais as vezes em que me sinto um elefante, a arrastar o peso de uma tonelada em cima, com passadas pesadas a martelar o pavimento, do que um pássaro. Há dias em que o ritmo é lento, doloroso, e em que odeio correr.
 
Talvez seja por isso mesmo que gosto de correr. Pode parecer estranho, mas é exactamente esse desconforto de testar os limites que tornam a corrida tão interessante para mim. Depois de persistir e sair vitoriosa perante esse teste, o cansaço com que fico é como uma medalha. É muito desconfortável, mas sabe bem.
Soa um pouco a masoquismo, gostar da dor da corrida, não é? Temos de ter um bocadinho de loucura, há que confessar. É exactamente nestas corridas piores em que me farto de maldizer a minha vida que depois me sinto mais orgulhosa. Uma questão da mente vencer o corpo, ou qualquer coisa assim.

Nos dias de prova, aqueles segundos antes do tiro de partida, de expectativa, o coração a bater mais depressa naqueles primeiros quilómetros que invariavelmente faço sempre mais rápido do que devia, aceno para quem apoia, sorrio... Depois aqueles quilómetros finais em que já vou em luta interior, focada, olhar em frente, tão difícil... Cortar a meta é sempre espectacular. Lembro-me bem da sensação que se arrastou durante dias depois da minha primeira Meia Maratona, o desafio físico mais intenso em que coloquei o meu corpo, até à data.




Vou continuar a barafustar mentalmente, sempre que tiver treinos como o de terça, 8 km custosos, de elefante. E vou continuar a fazer odes à corrida nos dias bons, livres, de pássaro. Quando saio de casa para uma corrida ou, ate mesmo, para uma prova, nunca sei como vai ser, aí é que está a piada. Gosto da corrida porque posso num dia ser elefante ou pássaro, ou ambos, mas nunca eternamente um dos dois. Vocês entendem, não entendem?
:)

Treino de terça:
- Final da tarde
- Distância: 8km
- BC médio: 164
- Calorias: 440



24 comentários:

  1. Olha eu entendo-te perfeitamente! :) Em relação à questão do lugar já estou habituada, mas em relação ao Pedro. Sempre que há torneio de xadrez importantes o Pedro fica em 10º, 11º e fica todo contente, e no entanto os outros ficam sempre com aquela postura de 'ah mas isso é bom?' :P As pessoas não fazem por mal, simplesmente é fácil falar quando estás do lado de fora ;)

    Eu acho muito bonito (faltam-me outras palavras, mas tu percebes a ideia) que tentes sempre superar-te a ti própria, e julgo ser isso que as pessoas vêem quando olham para ti ;) Se não é, dá-lhes um pontapé no rabo :P

    Beijinhos e boas corridas! :D

    ResponderEliminar
  2. Anónimo17/1/13

    Como a compreendo :)Continuação de boas corridas.

    ResponderEliminar
  3. Entendo perfeitamente.
    Este texto podia estar em qualquer blog de um(a) atleta de pelotão. Pois todos nós passamos por esses momentos e somos confrontados com essas perguntas.
    beijinhos e boas corridas, quer sejam elas de elefante de pássaro ou de ambos. :)

    ResponderEliminar
  4. Como te entendo!!!
    Quem está fora (eu também afino com essa do lugar que fiquei. Quero lá saber, só me preocupo com um adversário que sou eu) nunca compreenderá a frase "para se gostar de correr é preciso sofrer e gostar de sofrer quando se corre". Claro que pensarão tudo e mais alguma coisa de nós mas... se um dia experimentarem e sentirem o que é... :)

    Beijinhos e, mais uma vez, apreciei imenso o teu lindo texto

    ResponderEliminar
  5. Como eu entendo isso... Estou num momento de forma em que me sinto um pássaro, gostava de manter, mas sei que é impossível. Mas consigo ter vários períodos assim, aliás todos nós conseguimos. Mesmo estando numa forma de elefante pense no pássaro lindo que aparecerá no futuro! Força aí!

    ResponderEliminar
  6. adoro correr, adoro ginásio, adoro esta forma de me sentir viva. como é que andei tantos anos alheada deste mundo???

    ResponderEliminar
  7. Joana: É o mesmo que dizer nas provas: "epá, fiquei em 900 e tal."900 e tal?? E isso é bom??!" Se tiver superado o meu recorde, é bom! :) Ou então posso sempre dar-lhes um pontapé no rabo e dizer que foste tu que mandaste! Muahahah ;) Beijinhos


    Anónimo: Não estamos sozinho(a)s! :)

    Tigas: Ahaha, obrigada! Beijinhos e boas corridas (também vais ao FdEuropa, não vais?)

    João: Somos todos "malucos", mas felizes. ;) Beijinhos

    Sílvio: É bom saber que há muitos a sentir o mesmo. Na minha cabeça eu acho sempre que sou um pássaro lindo a voar, mesmo quando as evidências do desempenho apontam para o contrário. :) Boas coridas

    Hermione: É verdade. Às vezes também me pergunto como pude ser (relativamente) sedentária durante tantos anos. Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. É bom ler coisas com as quais nos identificamos.

    ResponderEliminar
  9. 100% de acordo contigo - e mais um texto fantástico - parabéns. Quanto a sentimentos a cortar a meta, espera até concluires a tua primeira Maratona.....ainda agora sei perfeitamente como me senti quando acabei a minha primeira.....
    indescritivelmente BOM :D
    Beijinhos e boas Corridas

    ResponderEliminar
  10. Olá,

    não poderia estar mais de acordo
    no meu caso..sorrio apenas quando alguem sedentário e cinzentão com um cigarro na mão me chama louco :)´

    porque retiramos nós prazer onde os outros encontram dor e desconforto? o que eles não sabem é que nós procuramos esse desconforto e transformamo-lo em algo único, mesmo com as asas a arrastar pelo chão não troco o meu modo de vida por nada :)

    ;)bj
    J

    ResponderEliminar
  11. Sam: Existe uma sensação de união na loucura. ;) Bjs

    Carlos: Obrigada. Imagino que dobrando a distância também dobre a dose de endorfinas... ;) Um dia depois comprovo. :) Beijinhos

    Jorge: Olá. Lembra-me sempre aquele texto "Esses loucos que correm". Não há forma de explicar aos outros, têm de experimentar em primeira mão (pés/pernas?). :) Bjs

    ResponderEliminar
  12. Claro que entendemos e sabemos que quem está a perder são "os outros".
    Não corremos por lugares na classificação mas por satisfação pessoal.
    Nos dias do pássaro o voo é incrível.
    Tenho pena dos que não sabem ou não querem saber.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  13. boa noite

    gostei muito de ler , obrigado :)

    hoje não corri, o corpo queria, mas a cabeça tá uma confusão...e até me falta inspiração para comentar , mas gostei muito e não queria deixar de dizer que tambem me identifiquei-me muito com o texto e com essas perguntas todas :)

    e isso mesmo, nós sabemos e entendemos ;)

    continuação de bons treinos
    ajb

    ResponderEliminar
  14. V: Sim, os dia do pássaro são incríveis. :) E são precisos os outros dias também, para lhes dar valor. Beijinhos

    AjB: De nada. ;) Quando a cabeça não quer colaborar custa mais, mas se calhar até fazia bem, para pôr as ideias em ordem. A mim ajuda. Beijinhos e bons treinos.

    ResponderEliminar
  15. Claro que entendo, perfeitamente :)

    Tenho me sentido este elefante nos últimos treinos. 2 semanas atrás estava tão fácil fazer 8 km em 43 minutos... nesta semana parecia coisa de outro mundo. Pensei, como pode???

    É como vc disse, há dias de pássaros e dias e mais dias de elefante :)

    Domingo mesmo no longão parecia que eu nunca tinha corrido na vida, pelo tanto que ardiam minhas pernas...

    é assim, e gostamos assim mesmo :)

    ResponderEliminar
  16. Acho que esse é o sentimento partilhado por todos ou quase todos o que correm, não para competir, mas por gosto. Algo que quem está de fora dificilmente percebe.

    ResponderEliminar
  17. Luciana: É mesmo. Às vezes é o corpo que está mais cansado e o demonstra, outras vezes é a nossa disposição. Temos de aproveitar os bons dias e fazer para repeti-los mais vezes. Beijos

    Catia: Olá! Já estás melhor? Beijos

    ResponderEliminar
  18. Percebo perfeitamente. Tenho um colega no trabalho que quando sabe que vou a provas a primeira coisa que pergunta, no dia seguinte é, "Então, em que lugar ficaste". A resposta é sempre a mesma: rir e dizer que não faço ideia.

    Em relação aos treinos também me acontecem mais os de "sofrimento" do que os que voamos, não acho tanta piada como tu a esta indefinição mas pronto as vezes lá é preciso forçar o corpo a chegar mais longe mesmo quando ele não quer.

    ResponderEliminar
  19. João: Ahah, algumas pessoas perguntam porque acham genuinamente que é uma pergunta válida, mas outros já é só para "implicar"! ;) Quanto aos treinos, na altura também não acho piada nenhuma, mas depois aceito. Se fosse sempre fácil não teria piada (acho eu, se calhar tinha...:p).

    ResponderEliminar
  20. Bem, eu não sou uma desportista como tu, por isso iria de certeza cometer o erro de perguntar "em que lugar ficas-te", mas agora fiquei com a atenção de perguntar "quanto tempo fizeste".
    Penso que todos nós temos motivações diferentes para correr e tu tens a maior motivação de todas, corres porque gostas (e também pela saúde :p).
    Continua a correr, com toda a tua persistência!
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  21. Para certas coisas na nossa vida, não há necessidade de razões. Foram escolhas consientes por aquilo que simplesmente te faz bem. Não há muito misterio. Correr é tão simples. A vida é tão simples. Engraçado como os mortais gostam de complica-lá, rs. Mal sabem eles que se corresem mais e pensassem menos estariam tendo uma das melhores experiências da vida, hehe.
    Muito me indentifiquei com o texto !
    E obrigado pela força la no blogue :)
    Beijos

    ResponderEliminar
  22. Bom dia! Melhor em dores sim, do problema é que não diria isso. Comecei esta semana a levar infiltrações e a fazer mesoterapia. Mas como as infiltrações doem imenso, têm efeitos secundários, como a destruição do musculo e como o fisiatra disse que não sabe quantas + terei de levar, eu decidi ouvir uma segunda opinião, quanto à forma de curar um edema da cartilagem retro-patelar e o sindrome da fricção da fáscia lata. Enfim, com calma tudo se há-de resolver. Beijinhos obg pl preocupação. Bom fds e boas corridas

    ResponderEliminar
  23. Lady V: Eu não levo a mal, sei que é uma pergunta inocente das pessoas. :) Só que se eu disser que fiquei em mil e tal, toda contente, se calhar não vão perceber. lol ;) Beijinhos

    Thais: É isso mesmo, para quê complicar? Sobretudo numa coisa como o desporto. Beijos

    Catia: Olá. Não sei bem em que consistem infiltrações, mas acredito que não deva ser fácil.. Com tratamento e descanso tudo há-de ficar bem. As melhoras e força! Beijinhos

    ResponderEliminar
  24. Oh se entendemos!
    Alguns amigos também já me fizeram perguntas e comentários do mesmo género. Não é fácil explicar a quem não corre que simplesmente adoro correr, mas sinceramente também não me esforço muito. Cada um com as suas pancas!

    Beijos e see you in "Fim da Europa"!

    ResponderEliminar