26 de março de 2013

23ª Meia Maratona de Lisboa

 
Tenho sentimentos dúbios em relação a esta prova, daí também ter esperado um dia para fazer a crónica. Por um lado, estou muito contente pelo tempo conseguido, por outro, não foi das melhores experiências. Depois pergunto-me qual o peso que um RP tem numa corrida. É verdade que olhando só para o tempo final, foi uma boa prova, pelo menos traduziu-se na redução de números, que é sempre uma coisa que todos gostamos. Mas falando em termos de prazer na corrida, esta prova nem atingiu a metade na escala de felicidade activa, que é uma medida de grande relevância no meu desporto.

Admito a maioria das culpas, já que sabia que não estava a 100%, tinha feito apenas dois treinos nas duas últimas semanas (um muito mau), mas tinha pago a prova, achava-me capaz de melhorar o meu tempo na distância mesmo indo a ritmo confortável e, basicamente, queria ir, pronto.

A ida até ao Pragal até foi mais pacífica do que tinha pensado, sem grandes confusões no Metro e no comboio, que apanhei cerca das 8h30. Foi a primeira vez que atravessei a ponte de comboio e tive direito a lugar vip com vista para o rio e cidade (à janela).
Cheguei à zona das portagens muito cedo e só me restou esperar. Ao menos tivemos direito a um speaker muito animado, que até tentou incentivar as pessoas a fazer um Harlem Shake versão Mini/Meia Maratona da Ponte. No meio de milhares de atletas apenas vi o João, que passou em aquecimento, e ia acompanhar dois amigos estreantes na distância, e tive um bocadinho de companhia de um colega corredor sem blogue, que me viu a mim.

Com o aproximar da hora fui-me chegando para a linha da Partida, mas não o suficiente. Nem me apercebi da chegada das 10h30 (já tinha o relógio em modo satélite), nem ouvi tiro de partida. Vi que as pessoas começaram a andar e, de repente, não sei bem como, já estava rodeada de pessoas da Mini. Acho que a Mini é uma festa e aquilo que dá a esta prova um cariz tão popular, mas a partida poderia ser adiada 10 minutos em relação à da Meia e isso já evitaria o caos para quem quer correr os 21km. Provavelmente não deveria ter ficado tão para trás, mas depois tive de correr atrás do prejuízo, como se costuma dizer, e passar os primeiros quilómetros a ziguezaguear por entre crianças, carrinhos de bebés, 3 a 4 senhoras de braços dados, um casal que pára sem aviso para tirar fotos a meio do caminho... Optei por correr sobretudo por cima da grelha, que tinha menos gente, coisa que os meus ténis estranharam bastante. 

Só já por volta do km4 ou 5, quando se faz a separação dos dois percursos, é que começo a ver mais asfalto livre e a poder correr livremente (na medida do possível). Por enquanto ainda me sentia razoavelmente bem e, com excepção do primeiro quilómetro, até estava a correr a um ritmo mais rápido do que tinha pensado fazer, controlando os bpm. Fui o caminho todo até ao Cais do Sodré distraída a ver os atletas que já vinham a regressar e a ouvir as bandas que animavam o percurso (levei os auriculares, mas estas bandas ao vivo sempre dão mais ânimo ao ambiente). Ia dando uns goles de água que mantive do primeiro abastecimento e assim cheguei ao Terreiro do Paço, cerca dos 8km e ponto de retorno, onde caíram uns abençoados chuviscos, para refrescar. Foi nesta parte do trajecto, e na recém inaugurada Avenida Ribeira das Naus, que comecei a denotar algum cansaço... Estás bonita, estás! Pensei: "Tu tem calma, rapariga, estás quase nos 10km, a partir daqui só falta metade" - tentativa de ludibriar o cérebro, que já de si não é muito bom para matemáticas, quanto mais em esforço físico. Lá me aguentei durante mais uns quilómetros porque, verdade seja dita, começar quase em último valeu-me um início atribulado mas depois foi só ultrapassar pessoas a prova toda! Tenho a certeza de que não fui passada por mais de meia dúzia de pessoas mas, em contrapartida, passei centenas! E isso sempre nos dá um bocadinho de força porque, "vou em esforço, mas, se continuo a passar pessoal, é bom sinal".

Lembro-me que foi mais ao menos ao passar pela estação de comboios de Belém que as coisas se começaram a complicar. Ali, onde atletas da Meia, já frescos e de regresso a casa observavam quem ainda passava, enquanto aguardavam o comboio (devia ser proibido correrem tão rápido!) comecei a sentir umas tremuras nas pernas e fraqueza geral. Reduzi bastante o ritmo, porque fiquei com medo que fosse alguma quebra de tensão, e fui passando água pela cara e pescoço. Aproximava-se um abastecimento com bebida energética onde a voluntária que servia, vejam-me só isto, me estende a garrafa e diz: "Estás com ar de quem precisa"... Obrigadinha pelo golpe fatal na minha autoestima, sim?!! Nem consegui fulminá-la com o olhar, tenho a certeza que só consegui lançar-lhe uma mirada desvanecida, o que só deve ter servido para reforçar a sua opinião (acertada... Grrrr).

O percurso daí até chegar ao segundo ponto de retorno, em Algés, e por mim apelidado ontem de Travessia dos Quilómetros da Morte, foi muito penoso. Consegui recuperar um pouco o passo, mas não via a hora de terminar ou, pelo menos, de avistar o raio da curva, para fazer parte dos que já estavam a caminho da Meta. Queria tanto parar, mas continuava sempre a passar pessoas e isso deu-me uma réstia de ânimo.

Quando cheguei ao km18 achei que, se tinha aguentado até ali, também não ia parar agora, mas fiz os quilómetros finais num estado de alheamento total, já nem via nada. Sabia que ia superar o meu tempo anterior na distância, mas nem isso me deu forças para terminar em grande. No entanto, fiquei muitooo contente quando finalmente cruzei a Meta. Viva. Mas não torno a brincar com a saúde desta maneira (ah, e tal, são jovens, não pensam...).
 
Só para ilustrar um bocadinho o texto, aqui fica a vista satélite sobre o percurso. (Isto prova como não estava no espírito da coisa, porque nem me lembrei de tirar umas fotos com o telemóvel, nem antes nem depois da corrida).
 
 
 
Depois disto, medalha ao pescoço, gelado na mão e meter-me num comboio ensardinhado de regresso a casa. Sentia-me esgotada.
 
 
Talvez torne a dar outra oportunidade a esta Meia Maratona, porque a culpa não foi dela, foi minha. Merecia ser desfrutada com outro ânimo, que não tive. Além disso, não me posso esquecer que, apesar de tudo, permitiu-me um RP, só por isso vou lembrá-la com carinho.
 
A todos aqueles que se estrearam nos 21km no domingo e que sairam de lá já a pensar na próxima prova: eu avisei-vos! :)
 
 
Uma boa semana!



30 comentários:

  1. bom relato.. mas onde se nota a ausência da tua tão característica alegria e entusiasmo :) Venham mais provas...
    E mais saude :) Bons treinos !

    Tudo de bom!

    ResponderEliminar
  2. Apesar de tudo parece-me que a prova teve coisas boas, embora também me pareça que não superaram as coisas más (fruto do facto de não estares no teu melhor a nível físico). Acho que devias dar tempo ao tempo agora, para recuperares na totalidade, e depois metes-te noutra aventura e vês como corre :)

    Beijinhos :D

    ResponderEliminar
  3. O mais importante é que não desististe e alcançaste o teu objetivo! Parabéns! :)

    ResponderEliminar
  4. ainda assim, acho que deves ficar muito feliz por ti :) não desististe e queres voltar!

    beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Olá R os meus parabéns pela tua prova. Este ano não pude estar presente mas sei bem a sensação de andar a fazer jincanas nos kms iniciais (nem sei de onde aparecem aquelas pessoas com carrinhos á nossa frente) pensei que havia maior controle. Deves estar orgulhosa pela tua prova após semanas dificeis, acho que o factor tempo é sempre relativo e mesmo bem preparados e sem precalços há dias menos bons. Para mim foste uma campeã pois não desistir quando o corpo dá tantos sinais para parar é obra.
    dia 28/4 na meia de Almad vamos vingar-nos :)
    bj e boa semana

    ResponderEliminar
  6. Eu estreei-me e mal posso esperar pela próxima!
    :)

    ResponderEliminar
  7. Parabéns pelo RP. Quanto ao pensar já numa próxima prova, eu ainda estou na fase do "não me falem em voltar a correr 21km", (mas vai passar depressa). Beijinhos e até Sesimbra.

    ResponderEliminar
  8. eu fiquei cansada de ler :) ufaaaa... e sinceramente, pelo que percebo, também acho que as partidas deveriam ser separadas... o problema dessas corridas é que têm muitas pessoas a passear e isso impede quem vai, realmente, com o objectivo de correr!
    mesmo assim, prova superada :) deve ser uma boa sensação...para mim era o auge eu fazer a meia, quanto mais :)
    por isso, tenho para mim que estás de Parabéns :D!!
    beijinho

    ResponderEliminar
  9. Parabéns pela prova e pelo RP, ainda por cima com poucos treinos e com o pessoal dos abastecimentos a darem-te uma ajuda (ou não).Fiz a estreia da Meia Maratona também no domingo, mas quando acabei ainda não consegui pensar em fazer ou prova igual..Tenho que dar uns dias. Parabéns novamente

    ResponderEliminar
  10. Nainho: Pois, lá está, não estava com espírito nesta prova. A próxima há-de ser melhor! :) Beijinhos

    Joana: Vou pensar com carinho nas opções dos próximos tempos, quero correr muito BOM ar, e não o contrário. lol ;) Beijinhos

    Jude e Lilith: Desistir seria mesmo o último caso para mim, e não ia ser fácil. Mas já está. Obrigada, beijinhos.

    Jorge: Obrigada. Não sei se vou à Meia de Almada, ainda tenho de pensar! :) Beijinhos e boa semana.

    Kelinha: É bom sinal! :) Bjs

    Tigas: És capaz de fazer muito melhor e sabes disso, mas há dias em que o corpo nos atraiçoa. A próxima nem vai ter comparação, vais ver! Beijinhos

    Tralhas: Obrigada. Podes começar pela Mini, depois não páras! ;) Beijinhos

    Bruno: Não achas que os voluntários deveriam sempre dizer-nos que estamos a ir muito bem, mesmo sendo mentira?! É o mínimo... :) De certeza que vais querer repetir e até baixar o teu tempo. Dá-lhe mais uns dias... Obrigada e boas corridas.

    ResponderEliminar
  11. Fico contente por teres feito a meia e ainda por cima com RP. Apesar das sensações não terem sido as melhores acho que podes considerar que acabas com saldo positivo.

    Próxima prova: Mini Trail de Sesimbra?

    Beijinhos
    João

    ResponderEliminar
  12. João: Sim, baixinho, mas positivo! :) E os estreantes, correu tudo bem?
    Tenho de ver se tenho t€mpo para esse trail, mas gostava!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  13. Só para dizer:

    A Small Victory - FNM

    ...não foi "SMALL" , foi "BIG" , e uma Vitoria !! :D



    Meu respeito e orgulho ! ...continuação de muita força !


    parabéns R


    ajb

    ResponderEliminar
  14. A: Ainda não sei bem se fui uma "sore loser" ou uma "sore winner", mas obrigada! :) Bjs

    ResponderEliminar
  15. Foi sem dúvida uma prova de muita coragem e que revela o espírito batalhador que há em ti, mesmo que por vezes não te apercebas.

    Estás muito de parabéns e não é pelo record mas pelo grande esforço e dedicação demonstrados.

    Beijinhos e tudo de bom

    PS - Há pessoas que ainda não se aperceberam que quem está esgotado precisa é duma palavra de encorajamento e não de ouvir o óbvio... (estou a falar do que te disseram no reabastecimento9

    ResponderEliminar
  16. João: Obrigada. É uma mistura entre batalha e orgulho.
    Eu entendi que foi dito como piada, mas uma pessoa cansada perde o sentido de humor (eu, pelo menos, perdi)!! :) Beijinhos

    ResponderEliminar
  17. não há duas provas iguais, sabes bem. o facto de não te sentires preparada, ou nervosa, pode ter influenciado o teu estado de espírito, e isso a tua performance. mas desceste o tempo, foi bom :) a parte da animação é um bocado difícil manter durante 21km LOL eu fui bem, calminha, não me cansei muito, dores só mais para o final, mas quando vi a placa dos 20km ainda consegui acelerar e terminei de sorriso na cara (as minhas fotos estão um espetáculo) ;)

    ResponderEliminar
  18. Foi pena não estares ao teu melhor nível. Agora é recuperar e pensar noutra corrida. É difícil deixar de participar nas meias das pontes, são acontecimentos importantes. As minis é que não valem a confusão. Para a próxima estás lá outra vez :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  19. És uma guerreira - pelo que passaste antes e durante a prova - uma luta intensa, fisica mas mais psicológica. Só o facto de teres participado e chegado ao fim, ainda por cima com recorde, deve deixarte orgulhosa. As próximas vão ser melhores.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  20. MUITOS PARABÉNS!
    Fizeste uma grande prova, às vezes não se vê pelos tempos, mas sim pela dedicação e força que demonstraste.
    Vais à Meia de Almada? ;)
    Beijinhos e bons treinos!

    ResponderEliminar
  21. Hermione: Não sei, na minha primeira 1/2 senti-me sempre muito bem, se calhar gastei a quota de entusiamo toda (espero que não)! ;) Sim, as fotos também falam por si, no meu caso... :) Beijinhos

    V: A Meia da Vasco da Gama é mais fácil, logisticamente, para mim (agora com as alterações não sei). Esta da 25 de Abril é uma Meia de quase 6horas, contando com deslocações de e para! :) Não sei se repito já para o ano. Beijinhos

    Carlos: É isso mesmo, o melhor está por vir. ;) Beijinhos

    ResponderEliminar
  22. Bem, ainda fomos alguns com dificuldades...
    O importante é que acabou bem e sem mazelas.
    O resto é desfrutar e gozar o momento.
    Parabéns pela tua prova, pelo RP e pela frontalidade com que encaraste uma distância nada fácil depois das últimas semanas.

    Beijos!!!

    ResponderEliminar
  23. O que fazem os dias felizes são os dias tristes!
    Sem provas más não há provas boas!
    Já fiz tantas provas quase "morto", faz parte!
    Agora não é conveniente ir fazer uma meia maratona nas condições em que te encontravas a nível de saúde.

    Penso que tecnicamente é impossível fazer uma separação de 10 minutos na partida entre a mini e a meia.
    Essa partida tem uma data de condicionantes técnicas que a maioria das pessoas nem faz ideia! mas o certo é que o director da prova é das pessoas mais experientes na matéria em Portugal e não só (o Professor Mário Machado).
    Penso que a solução é ir cedo para fazer uma boa partida. A Rute deve saber como é pois penso que ela e o João se "safaram" melhor na partida.
    E agora toca a recuperar a forma e venha a próxima!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  24. Isa: Obrigada! Foi teimosia, chamemos-lhe pelos nomes... :) A de Almada ainda não sei, mas provavelmente não. Beijinhos

    Pedro: É verdade, não foi fácil para muita gente. Desfrutar do momento, neste caso, só no FIM! :) Beijos

    Jorge: Ajuda a dar valor às provas felizes! :)
    Da partida, na 1/2 do Vasco fizeram essa separação, não sei se foram 10 minutos, mas sei que não houve estas misturas. Em alternativa, controlar melhor as entradas (gente da Mini entrou na zona da Meia, sem entraves, ao mesmo tempo que eu). Já cheguei bastante cedo (mais de 1h!), chegar ainda mais cedo não é opção, há sempre alguém que tem de ficar para o fim, e não me importo, desde que fique no fim da Meia e não no meio da Mini!! Mas compreendo que provas desta envergadura seja difícil controlar, se tornar a correr esta prova começo a furar mais cedo!:)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  25. Para mim esta é a meia maratona mais facil em termos ogísticos... Até que senti menos efeito da multidão na espera, na ponte.

    Para o ano, vens mais para a frente e certamente corre-te melhor :)

    Bjs

    ResponderEliminar
  26. Bluesboy: Até tenho medo de perguntar o que passas para chegar às outras Meias... ihih :) Estas das pontes têm o seu charme, mas não são as mais práticas. Gostava de participar numa Meia menos comercial agora, para comparar. Beijinhos

    ResponderEliminar
  27. A meia da vasco da gama obriga-me a mais espera e a levantar mais cedo, lol!
    Tens a meia dos palácios em Maio, que é bem mais tranquila, vai de Sintra a Queluz (n te assustes q n é pelo ic19, hehe)

    ResponderEliminar
  28. Na meia da Vasco da Gama é possível de se fazer essa separação com muito mais facilidade devido ao comprimento da ponte. Na 25 de Abril é tudo muito mais apertado. Quanto ao controle não sei como ele agora é feito sei é que até já houve "cenas" de derrubaram barreiras para entrarem por onde não deviam. Muitas vezes para quem corre as coisas parecem ser muito simples e fáceis de se resolverem mas quando se está do lado da organização é que se tem a real noção das situações. Tecnicamente a partida e a separação dos atletas na Vasco da Gama é muito mais simples pois não há qualquer hipótese de se furar o sistema e entrar para a zona errada. Na 25 de Abril tudo é radicalmente diferente!

    ResponderEliminar
  29. "Quando cheguei ao km18 achei que, se tinha aguentado até ali, também não ia parar agora, mas fiz os quilómetros finais num estado de alheamento total, já nem via nada."

    Exactamente o meu pensamento na minha estreia em Setembro/2012. Resultado: TENDINITE!... Felizmente ultrapassada, passado muuuuito tempo.

    "São jovens... não pensam..."

    ResponderEliminar
  30. Ricardo: São dois casos de sofrimento diferente, mas tens razão. Tanto que até sinto que a recuperação está a levar mais tempo que o normal. Mas isso poderia acontecer tanto parando aos 18 como aos 21km. Há que ter sensibilidade e experiência para saber quando se pode persistir ou quando é melhor parar, quando mais 1 km pode fazer a diferença entre o mau e o pior, coisa que a mim ainda me custa muito, confesso (ter de parar). Não sei se alguma vez vai mudar, mas é passando pelas coisas que se aprende, não é o que dizem? :)

    ResponderEliminar