8 de maio de 2013

Trilho das Lampas

Já participei em alguns (poucos) trilhos, mas ao final da tarde/início da noite, foi a primeira vez. Gostei muito, só adicionou ao desafio que já são as provas de trail, porque a partir do momento em que deixamos de poder contar com o sentido de que mais dependemos, temos de estar alerta, quase como se fosse activado o nosso instinto de sobrevivência (o que não é exagero, já que houve partes do percurso à beira de uma falésia). No entanto, com os mínimos cuidados tudo corre bem, e é possível, e muito, desfrutar desta experiência. Só se devem assegurar de que têm um frontal com um bom foco (o que não era o meu caso) ou, em compensação, bons companheiros de percurso, com os respectivos focos auxiliares (o que foi o meu caso). Mas vamos à história.

Cheguei bastante cedo, já que não conhecia a zona e queria precaver-me de eventuais "desvios de percurso".

A Partida/Meta, ainda vazia.

Fui levantar o dorsal, ainda pouca gente na fila, e entregam-me também um apito relativo ao evento. Achei uma recordação engraçada, para além de útil, pois já vi que em algumas provas é um acessório obrigatório e apesar da minha mochila já vir com um incorporado, não a tinha levado para a corrida de hoje.

Fui fazer tempo para dentro do carro, que consegui estacionar a poucos metros do local, sempre de olho a ver se via alguém conhecido. Estava com receio de ter de fazer a prova sozinha, pois o meu frontal não tinha grande potência, para além das pilhas já serem antigas. Já me imaginava a ficar sem luz a meio de um bosque e protagonizar um momento Blair Witch Project dos trilhos... Não seria agradável.

Acabei por encontrar o João e o Vítor, com quem acabei por correr o percurso todo. Geralmente sou apologista do "amigo não empata amigo" nas corridas, mas trilhos é diferente e sabia que o cavalheirismo dos colegas e o meu instinto de sobrevivência acima referido haveriam de nivelar as nossas passadas.

A Partida já mais composta.

Garmins ligados, à procura de satélites (e procura, e procura...) e, por volta das 19h30, era dada a partida. Os primeiros metros são corridos numa zona de habitações, mas depressa entramos em terra batida.


Como os primeiros quilómetros eram relativamente acessíveis, acabaram também por ser feitos a um ritmo um pouco elevado para estas andanças, mas sentia-me bem e acompanhei os colegas.


Claro que não tarda muito e aparece o que é bom: as subidinhas!


Por enquanto ainda eram mesmo só subidinhas, e aguentei-me bem, sem necessidade de parar.

A luz do fim do dia dá uma cor bonita às coisas e eu estava encantada com a paisagem. Aliás, fui apanhada em diversas fotos de máquina fotográfica na mão, mais concentrada em captar o ambiente do que em ver onde punha os pés... culpada! No entanto, todas as tentativas de tirar um auto-retrato em andamento resultaram nisto:

Perfeito.

O que vale é que as demais paisagens compensaram.



Ao longo do percurso iremos apanhar alguns cursos de água. Alguns possíveis de atravessar através de pontes e outros aos saltinhos por pedras em equilíbrio instável. Mais uma vez, os fiéis Trabuco não me deixaram ficar mal e não escorreguei nenhuma vez.

Por volta do km5, o primeiro abastecimento, onde crianças nos estendem prontamente os copos de água. Todos muito simpáticos e  empenhados na sua tarefa de hidratar os atletas. Foi engraçado.


A passagem neste primeiro abastecimento até foi rápida: engolir a água do copo e seguir. 

Entretanto, era uma corrida contra o sol. Literalmente.


Nesta altura questionavamo-nos se ainda conseguiríamos chegar à praia antes do sol se afundar totalmente. Tínhamos esperança, até que o Manuel, um rapaz que se juntou a nós durante uns quilómetros e que conhecia a zona, disse que no km8 nos esperava uma boa "subidinha" (neste caso o "inha" já é piada...).

E a verdade é que, depois de atravessarmos mais um pequeno curso de água (só imagino como seria esta prova na época das chuvas!)...


Lá estava ela, a subidinha.


Como podem reparar, estão alguns atletas mais acima a aproveitar para descansar ver as vistas.

Comparativamente à escalada de Sesimbra, esta subida não foi tão custosa, quanto mais não seja porque era aos ziguezagues e permitia descansar um pouco nos entretantos, ao contrário da outra que era uma parede. Ou isso ou estou finalmente a ficar com músculo e as coisas tornam-se mais fáceis (fazer figas!). :)

Foi por aqui que "perdemos" o Manuel. Não sei se nos tornou a apanhar mais à frente, quando estava escuro, e não reparámos, mas de qualquer forma espero que tenha feito uma boa prova.
 
Lembram-se da conversa sobre a utilidade das meias de compressão? Os meus colegas de corrida levavam uma calçadas, eu não. Imaginem quem se arranhou nas silvas quando começou a escurecer?


Não foram eles...

Com tudo isto, o sol estava a ganhar a corrida.


Mas o certo é que, mais tarde ou mais cedo, lá alcançámos um dos marcos do caminho. A praia da Samarra.


E ainda com uma nesga de pôr-do-sol ao fundinho... Vitória!


Foi por volta desta altura que achámos melhor ligar os frontais, já que a subida que se seguia era puxadinha, enlameada e, bom, a modos que à beira de uma escarpa... Todo o cuidado era pouco.
Em cima, bombeiros e demais elementos da organização alertavam-nos para o percurso e estavam atentos. Aliás, fica aqui uma palavra em relação a esse aspecto, já que foram impecáveis ao longo de toda a prova. Toda a zona passível de maior risco tinha sempre alguém a controlar.

Já se viam outros "pirilampos" atrás também.


Depois desta fase, tivemos uma ilusão de óptica em relação ao abastecimento dos 12km, que parecia "já ali" (é o que dá o lusco fusco), mas ainda exigiu alguma perícia e cuidado a ser atingido, pois tivemos de descer e subir novas encostas.

A foto abaixo, dos colegas no abastecimento, não foi censurada, embora pareça. É o que dá tirar fotografias com flash a pessoas com frontal posto. Fica a lição.


Neste abastecimento, como de costume, para além da água comi uns gomos de laranja. Acho que as laranjas são mais saborosas nestas situações do que no dia-a-dia normal, não sei se será impressão minha ou um facto comprovado.

Soube bem esta pequena pausa. (Já percebo porque é que neste tipo de corrida o meu Tempo de Movimento e Tempo de Prova são sempre tão díspares....) Estava a noite fresca, via-se pelo vapor que saia da nossa respiração, mas sentia a pele a colar da humidade. O pior foi depois...

E convencer as minhas pernas de que ainda faltavam 6km para o final?? Está bem, está! Provavelmente devido ao frio, arrefeci muito rápido e foi um custo para voltar a entrar no ritmo. As pernas: "Deixa-te estar mas é aí quietinha e come gomos de laranja, que nós queremos descansar". Eu: "Mas não pode ser, ainda falta, tenham lá paciência". Foi um debate que ainda durou uns bons 500 metros. Como era ligeiramente a subir não tiveram outra opção que não mexer-se. Mas quem é que manda aqui?!

Nesta altura, deu um jeitaço, juntamo-nos a um senhor que tinha um frontal com um foco espectacular. Até comentei com ele que aquilo pareciam os médios de um carro! Como já vos disse de início, o meu foco era muito fraquinho, os focos combinados de nós os três iam servindo para iluminar razoavelmente o caminho, o pior era quando nos afastávamos um bocado. Por isso esta companhia veio na altura certa. Obrigada Senhor dos Médios!

Acho que não era este o Senhor dos Médios, mas não tenho nenhuma foto dele.

Penso que houve algumas pessoas que se perderam, mas eu acho que o percurso esteve sempre bem sinalizado. O problema era se não tivéssemos iluminação suficiente, já que às vezes as fitas estavam colocadas em postes altos, outras em arbustos, e era uma questão de irmos direccionando o foco em caso de dúvidas. Passámos, inclusive, por um local que estava ladeado por archotes, o que deu um efeito visual bonito.

Nisto, tornamos a entrar na zona de moradias, que estava silenciosa e praticamente deserta àquela hora.  (Era tarde, mas não tão tarde!) Estávamos quase a chegar à meta, e eu estava surpreendida com o bem que me estava a sentir. Comentei com o Vítor que o facto da prova ser ao final da tarde ajudou bastante, já que o fresco regenerou um bocadinho e aliviou a dificuldade. Se fosse em qualquer outro horário, eventualmente teria quebrado por causa do calor, já que era um percurso com poucas sombras e muita humidade. Assim sendo, sentia-me bem, e há que aproveitar esses raros momentos de bênção desportiva.

Quase a chegar! Não é a Meia Maratona das Lampas, mas serve o propósito.

Além disso, com apenas* (* nem acredito que estou a escrever isto!) um D+ de cerca de 350 metros para os 18km, acho que foram uns trilhos acessíveis, com um trajecto bastante "corrível". Não tanto para mim, claro, mas para os atletas mais experientes, o que permitiu bons resultados.

Não sei se as minhas 02h29 foram um bom resultado ou não, mas acabámos sorridentes, e nem foi um sorriso forçado, por isso acho que somos equipa vencedora. Obrigada aos companheiros "de equipa", pela companhia e por iluminarem o meu caminho. -> Awwww.... Seria um comentário mesmo querido, se não estivesse a referir-me aos frontais. ;)

Em relação à organização da prova, acho que não há muito a acrescentar ao que tem sido dito noutros relatos. Foi notória a preocupação pela segurança dos atletas, o que a meu ver é o mais importante, os abastecimentos estavam à distância adequada e tinham o necessário (o 1º: água, o 2º: água e fruta), o percurso estava bem sinalizado e, como extra, ainda tivemos direito a umas lembrancinhas no final. Na minha opinião de leiga, esta primeira edição não poderia ter corrido melhor.

Como sempre, não vejo a hora de voltar a repetir a experiência, com a novidade de ter ficado mesmo entusiasmada com esta vertente nocturna! (Com um frontal em condições).

32 comentários:

  1. Com estes relatos, deliciosos, nem vale a pena fazer provas!
    O melhor é ficar sentadinho a ler e a viajar!
    heheheheheheheheheeh
    Parabéns!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. Excelente relato! Se já estava com vontade de ir para o ano, agora é mesmo certo. Tenho é que fazer um upgrade ao meu frontal (tenho o do urban night race de 2012 - é tipo farolim de bicicleta).

    Para provas nocturnas, acho que o urban night trail está a abrir as inscrições em breve... não sei bem onde li isso, mas acho que não foi em sonhos, lol! Quando souber pormenores, aviso.

    Embora não sendo trail, acho que também devias experimentar a Corrida das Fogueiras em Peniche. É nocturna, mas dispensa frontal :)


    Bjs e boa recuperação!

    ResponderEliminar
  3. Bonito e entusiasmante relato.

    Sobre os gomos de laranja, sou da mesma opinião, quando dão em prova parece que sabem diferente (para melhor)

    Beijinhos e força para o próximo

    ResponderEliminar
  4. Se dúvidas houvesse, estão desfeitas neste artigo. És cada vez mais uma fã dos trilhos. :)
    Beijinhos e boas corridas.

    ResponderEliminar
  5. Olá, bom dia

    Ainda bem que gostaste dos Trilhos

    Eu infelizmente não consegui chegar ao fim....

    Naquele bocado de alcatrão antes de começar a descer para a Praia da Samarra tive um 2 em 1 - cólicas e câibras....

    achei arriscado fazer 8 km de noite nessas condições, além de que o facto de estar a correr em casa e de ter levado telemóvel, me fez chegar transporte em menos de 5 minutos....

    resta-me treinar para a meia em Setembro e esperar pelos trilhos do próximo ano, aí já com a presença da minha mulher

    beijinhos
    Hugo Manuel

    ResponderEliminar
  6. Jorge: Também gosto de viajar assim, nas provas em que não posso participar... :) Obrigada, beijinhos.

    Bluesboy: Sim, tens de ir. Eu não fui ao Urban Night Race, mas pelo que o João e o Vítor disseram, esses frontais eram mesmo só para o efeito visual e ali seriam insuficientes. Se bem que tu terminarias a prova muito mais cedo e se calhar sem necessidade de grandes luzes! :) Ainda não sei se posso ir a Peniche, mas todos falam muito bem dessa prova. Beijinhos

    João: Eu em casa nem sou de comer laranjas, mas nestas coisas é só isso que como! É um gostinho refrescante e bom. :) Obrigada, beijinhos.

    Tigas: Olá. Eu já não tinha dúvidas, mas agora comprovei que funciona nas 24h do dia. :) Tens actualizado pouco o blogue, vamos a isso! Beijinhos

    Hugo: Olá! Pena essa situação... Pensei que nos tivesses passado no abastecimento, em que muita gente seguiu logo. Mas continuar assim, sozinho e naquele percurso seguinte, realmente seria complicado. Mas voltas para o ano em boa companhia, para redimir! :) Beijinhos e boas corridas

    ResponderEliminar
  7. Um trail é para se fazer devagar.... eu certamente terminaria de noite ;)

    ResponderEliminar
  8. Subscrevo por inteiro o comentário do camarada Jorge Branco!
    Parece-me que este trail vai ser um sucesso!
    Para quem é fã de trails noturnos, há também o AX-Trail de Alvaiázere que é muito bom (fi-lo em 2012), embora, para quem não se adaptar bem à escuridão, pode tornar-se um quase pesadelo! (se calhar volto lá este ano para ajustar contas...)
    Bjs e boas corridas

    ResponderEliminar
  9. Ainda bem que tudo correu bem, parece ter sido bem giro :D

    Olha há uns dias lembrei-me de ti, porque um amigo do Pedro fez uma coisa chamada 'Enduro do CRP'. Não sei se há mais enduros por aí, mas aquele foi de 50km a correr por trilhos da Serra dos Candeeiros :P Acho que ias gostar (vá, tirando a parte dos 50km!) ;)

    Beijinhos :D

    ResponderEliminar
  10. Paulo: Nunca ouvi falar dessa prova, tenho de pesquisar... (Se tiver uma versão "mini", por enquanto!). Tal como a Meia das Lampas, que já é famosa, penso que este trail se irá juntar à lista de eventos a correr. :) Obrigada! Bjs e boas corridas

    Joana: Foi giro, sim. :) Por acaso pensava que enduros era só de motos. Assim a correr é melhor. 50km este ano não digo, mas quem sabe um dia... ;) Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Mas que belo relato da prova, assim ainda dá mais vontade de as fazer...ainda não é para já mas...
    Dá para perceber a vaidade no Mr.G, penso que o auto retrato ao pulso é para isso :)
    Quanto aos Trabuco vejo que estão aprovados, são BBB (Bons bonitos e Baratos), certo?

    jnr

    ResponderEliminar
  12. Marcelo Dias8/5/13

    Olá menina corredora,
    antes de mais parabéns por mais um trail!
    Também eu só tenho a dizer coisas boas deste trail. Se há coisa que me faz confusão, é a quantidade de provas que logo na 1ª edição querem fazer 30, 40, 50 ou mais km's, o que na maior parte das vezes corre mal. Apesar dos muitos anos de experiência, na organização da Meia Maratona da (R)Lampas por parte do Fernando Andrade, não caiu na tentação de se esticar na quilometragem e preferiu a qualidade à quantidade.
    Sinceramente, quando ouvi falar no Trilho das Lampas não fiquei muito entusiasmado e acabei por só me inscrever há última da hora, porque não acreditava muito na potencialidade desta zona, ainda bem que estava completamente enganado. Desde a zona de partida/chegada, à passagem pela praia da Samarra e da ponte romana, achei o percurso muito bem desenhado e equilibrado e perfeito para uma iniciação aos trilhos (que já não é o teu caso ;-) Sesimbra já não é para qualquer um!).
    Em relação à minha experiência neste trilho:
    - Cheguei cedo demais, mais uma vez. Não sei porquê ando com a tendência de chegar cada vez mais cedo, o que, quando é demais, não é positivo. Começo a ficar impaciente e como costumo ir sozinho a quase todas as provas apanho uma grande seca!
    - O local de partida era perfeito e aquela voltinha no início é genial, ainda por cima feita naquele relvado. Provavelmente dos melhores locais de partida que já vi.
    - Os primeiros 8 km's foram demasiado rápidos (5'/km) para o que tenho treinado (quase nada) e que viria a pagar mais tarde.
    - Acho que foi por volta do km 8 ou 9 que quase não conseguia respirar, tal era o cheiro nauseabundo a estrume, mas enfim, é mais uma dificuldade que podemos encontrar nos trilhos e que temos que ultrapassar, até pode ser um incentivo a correr mais depressa :)
    - Ao km 10 a passagem pela praia da Salema foi fantástica e acho que passei na altura ideal, quando o sol tocou na linha do horizonte.
    - Ao km 11 fui um dos que se enganou no caminho, mas é bem feito para ver se aprendo a guiar-me pela fitas, já que normalmente confio cegamente em quem vai à minha frente.
    - No km 12 também fui iludido pela distância do 2º abastecimento, parecia muito mais perto do que realmente era e foi nesta altura que a minha falta de treinos deu sinal. É engraçado que também ataco logo as laranjas nos abastecimentos e em casa nem sou grande consumidor.
    - Do 2º abastecimento até ao final acabou-se a pilha (não a do frontal, a minha mesmo), o meu ritmo desceu drasticamente de 5'30"/km para 6'30"/km devido à falta de km's nas últimas semanas e porque pela primeira vez tive algumas cólicas, ainda assim consegui terminar com 1h49'55" sendo que, a determinada altura do trail estabeleci um tempo inferior a 1h50' para acabar, mesmo no limite, portanto :)
    - No pós trail, aquela sopa quentinha soube-me que nem ginjas!!

    Conclusão: Este trail já levou o carimbo - "Para o ano é para voltar!"

    Pela estrada fora: eu também estive no AXTrail de Alvaiázere o ano passado e apesar de também ser um trail "lusco-fusquiano" não se compara à dificuldade deste, além de o percurso ser muito mais técnico e comprido (30km), tem um D+ de 910m. Comparável a este e o qual aconselho a toda a gente que gostou do trilho das Lampas, é o Trail Nocturno da Lagoa de Óbidos (25km). Ah e o AXTrail este ano acho que só tem uma prova no dia 19 de Outubro, as outras acho que não se vão realizar.

    Epá, acho que já me estou a esticar na escrita, vou ficar por aqui antes que seja censurado :)
    Um dia destes deixo de ser preguiçoso e também faço um blog para publicar as minhas experiências em trails e corridas.

    Beijos
    Marcelo

    ResponderEliminar
  13. jnr: Ah!:) Por acaso não foi propositado, mas acabou por apanhar o Mr.G, é verdade. Acho que este G. ainda é muita areia para mim, que não uso nem metade das funcionalidades... Tenho de começar a estudá-lo melhor. :)
    Gel Trabuco: Por enquanto estou muito satisfeita, e vi uns quantos iguais em pés por lá, por isso ou também aproveitaram a promoção ou são mesmo BBB!
    Este teria sido um bom trail para te iniciares.

    Marcelo: É sempre bom ler outras opiniões da mesma prova e referiste pontos de que me esqueci e que também notei:
    - o início às voltinhas no relvado! Na altura até pensei que fosse para "acertar kms" já que foi a prova em que terminei mesmo com a distância designada (18km no ponto), embora não tenha contecido o mesmo a toda a gente, como é normal.
    - O cheiro a estrume! MUITO intenso mesmo!! Até comentámos que era o doping dos trails... ;)
    - É praia da Salema ou da Samarra? tenho de confirmar para emendar!!

    Pois, às vezes há o risco de "follow the leader" e nem prestamos atenção ao percurso.. mesmo assim, com o desvio, terminaste dentro do tempo proposto.

    Agora que referiste o D+, fico sempre na dúvida se há diferenças entre "acumulado", "ganho de elevação", "desnível positivo", etc..? Mas já reparei que é sempre uma coisa a ter em conta nos trilhos, ainda mais que a distância propriamente dita.

    Esse trail da Lagoa de Óbidos parece interessante...

    Sim, tens de pensar em criar um blogue! Só actualizas quando te apetecer, por isso não há desculpa da preguiça! :)

    Beijos e bons trails

    ResponderEliminar
  14. Marcelo Dias8/5/13

    Ops, enganei-me, é praia da samarra, salema é no algarve.

    D+ é desnível positivo ou ganho de elevação, acumulado é a soma do D+ com D-

    O trail da Lagoa de Óbidos é o "meu" trail de estimação, já que foi nele que me iniciei nos trilhos há 2 anos atrás. É excelentemente organizado pelo "enorme" Jorge Serrazina e as inscrições voam num instante por isso, stay tunned

    Beijos
    Marcelo

    ResponderEliminar
  15. Marcelo: Obrigada pela explicação, vou emendar então! Bjs

    ResponderEliminar
  16. Relato muito bom do 1º Trilho das Lampas.
    Alguns participantes disseram que os 18 km souberam a pouco, cada vez concordo mais com isso. E ainda nem sequer corri 20 km em trilhos:)
    No domingo tinha pensado num pequeno treino de fim de dia, mas nessa altura é que o cansaço se notou e não treinei.
    Qual o próximo?

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  17. Olá!! Bem, com este relato fiquei eu cheia de vontade de ir experimentar os trilhos! Mas acho que tenho de ir com calma e ganhar um bocadinho mais de "pedalada". Vou participar na minha primeira meia-maratona (Douro Vinhateiro) no dia 19 e já estou, vá, a panicar - mas não há de ser nada, hem..
    Gosto muito do teu blog, revejo-me em quase tudo - especialmente em preguicites, ronhas e o forcing que temos de fazer para calçar os ténis e sair para treinar, mas depois sabe tão bem!

    Ah, e consegui convencer o meu irmão - que não corre, de todo, a acompanhar-me em alguns treinos - guess what? precisa de umas sapatilhas decentes. Bah.

    Beijinho e boas corridas para todos!
    Inês (Coimbra)

    ResponderEliminar
  18. olá de novo

    só uma precisão:

    embora os campos agricolas da zona sejam estrumados com alguma regularidade (o que com vento norte pode ser muito desagradável para muita gente, experiência própria), naquele local o que existe é uma pecuária de porcos, sendo o que se cheirou um cheiro permanente a "residuo" de porco...

    ResponderEliminar
  19. V: Talvez começando 30m mais cedo, como já foi sugerido, se pudesse acrescentar mais uns 2km... :) Mas acho que esteve bem assim e para o ano já se faz mais rápido! ;) O próximo é "segredo" lol :), mas vou ao do Guincho! Beijinhos

    Inês: Olá! Também gostava muito de um dia fazer essa Meia, que todos dizem ser muito bonita, mas este ano era complicado... Mas, sendo a tua primeira, é para desfrutar! Vai nas calmas, aproveita bem, que terminas com vontade de repetir! Boa sorte! Depois quem sabe um trilho a seguir... ;)
    Ah, e irmãos mais novos (pelo menos no meu caso), é assim... Mas ainda não desisti dele. :)
    Bjs e obrigada pelo comentário!

    Hugo: É que era mesmo intenso! E depois com o calor não ajudou... Mas, como disseram, é da maneira que se acelera o passo! :)

    ResponderEliminar
  20. "...mas acabámos sorridentes..." - Logo...foi um BOM resultado sem dúvida!

    ResponderEliminar
  21. ...bela "descrição" de uma bela prova ! very cool :)

    Concordo contigo no "esta primeira edição não podia ter corrido melhor" !!

    ...claro que não se pode "agradar" a todos ! uns querem mais cedo, outros mais tarde, mais longo, mais curto...enfim...

    para mim esteve perfeito , organização , percurso , horário , o "ambiente em geral" , magnifico... :D

    ...claro que á sempre pormenores que se pode melhorar , mas com a boa vontade , o espírito do trail e de camaradagem , o desfrutar do correr é o mais importante !! ...aliás , o mais importante era a "segurança" e nisso , junto com o bom-senso do pessoal participante , a organização merecia uma grande ovação ! :)


    Eu fui-me abaixo a seguir á ponte de Catribana (aquela iluminada com as tochas), na subida seguinte em lages de pedra, tive que andar um bocado e depois para começar a correr outra vez , foi muito complicado ! :D ...mas fez-se , com alegria , esforço , e prazer.


    parabéns pela participação...

    e bons futuros Trails


    ajb

    ResponderEliminar
  22. Ana: Sem dúvida! :) Beijinhos

    A: Chamava-se Ponte da Catribana? As coisas que tu sabes! :) Já não estava a contar com uma subida aí, mas fez-se, que remédio! Arrefecendo é pior...
    Esteve tudo muito bem, só não sei da sopa, porque não comi. ;)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  23. É pá...se pelos outro relatos fiquei com vontade de participar no próximo ano, com o teu fiquei com a certeza....lindo...essa chegada à praia então...o problema é que há tantas e tantas provas fantásticas que a malta nem sabe bem o que escolher....ainda nem fui ao Gerês e já estou a pensar na Freita em Julho e em Óbidos em inicio de Agosto.
    Parabéns por mais este trail, estou com o Tigas....se duvidas houvesse, esta foi a confirmação que o teu "caminho" são fora do alcatrão :D
    Beijinhos e boas corridas

    ResponderEliminar
  24. Carlos: É verdade, há tantas provas e tão pouco t€mpo... :( Essa de Óbidos também fiquei a pensar com carinho, mesmo terminando depois da meia-noite (no meu caso)! :) Beijinhos

    ResponderEliminar
  25. R,
    Boa prova! (porque eu percebo muito disto!)
    Oh pá! a relatares assim, até a mim me apeteceu experimentar!
    *Isso das fotografias desfocadas e flashes na (sem)cara é para complementar o Blair W.P !
    *Laranjas - sabe sempre melhor porque se junta a fome à vontade de comer :)
    *Praia - ainda bem que chegaste a tempo de ver uma restea de luz. Foi quase como ganhares a medalha.
    *Meias - sempre tens de investir numas! e já agora, numa iluminação mais abrangente :)
    "Amigo não empata amigo", mas "amigo ajuda amigo" :)

    Beijinhos grandes e quando vieres fazer uma prova mais perto destas bandas, diz, para eu ir aplaudir!

    ResponderEliminar
  26. Lulu: Um dia consigo que participem numa prova! Muahahah! :p Já participas nas minis e nas solidárias, já não falta tudo... ;)
    Sim, amigo ajuda amigo, sem dúvida.

    Óbidos é mais perto das tuas bandas, certo? ;)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  27. Olá, "Corre Como Uma Menina". Foi um relato genial que retrata na perfeição, o que foi este 1º Trilho das Lampas. É para nós muito gratificante sabermos que o trabalho realizado, foi do agrado de quem participou nesta Prova que, como é bom de ver, seria uma experiência organizativa. Uma Prova de cariz diferente, com particularidades que não assistem à MMSJL e como tal, havia alguma ansiedade à mistura. Conforme frisou, a nossa principal preocupação foi a de mostrarmos que estávamos presentes principalmente nos pontos mais perigosos do percurso. Graças à excelente colaboração dos Bombeiros Voluntários de Sintra e de amigos nossos pertencentes a outras corporações (Montelavar e Alcabideche)conseguimos transmitir essa confiança aos atletas. Felizmente não sucederam acidentes graves e, nesse aspecto, podemos considerar que tivemos sorte mas também é de realçar o cumprimento das regras da prudência em que cada um era o principal guardião da sua própria segurança. Muito obrigado pela sua crónica e pela apreciação "contagiosa" que faz desta prova que é vossa. Beijinho.

    ResponderEliminar
  28. Fernando: Muito obrigada pelo seu comentário e pelo interesse que demonstra pela opinião de todos os que participaram. Não conhecia a zona, nem nunca participei na Meia Maratona (tenho de tratar disso!), mas fiquei com vontade de voltar para o ano, e recomendo. Todos os que o conhecem previram um bom evento, e assim foi.
    Obrigada a todos os que colaboraram. Beijinhos

    ResponderEliminar
  29. Uma fantástica descrição desta aventura que foi o 1º Trilho das Lampas. Não é por acaso que se lê tão boas críticas desta prova. Em meu entender, mais importante do que a excelente organização, é mesmo o companheirismo, a amizade e a paixão pela corrida e pela natureza por parte dos participantes. Nestas provas sinto-me entre amigos desinteressados, a partilhar a adrenalina do desconhecido, a contemplação de belezas instantâneas com cores, sobras, movimentos e sons únicos, apenas existentes naquele momento que fica gravado na memória.
    Enfim, uma diversão.
    Parabéns mais uma vez pela escrita fantástica e pelo sucesso alcançado.

    ResponderEliminar
  30. Fernando: Sim, este tipo de provas tem uma componente de convívio, que também existe nas de estrada, mas aliado a uma partilha e contemplação diferentes. Estou a gostar muito de descobrir isso!
    Obrigada e boas corridas.

    ResponderEliminar
  31. Uma corrida ao fim da tarde por sítios lindíssimos e em boa companhia.
    Que mais se pode pedir? =)

    Parabéns por mais um desafio superado. Venham muitos mais!

    Beijinhos e boa semana.

    ResponderEliminar
  32. Isa: É mesmo verdade, o que mais se pode pedir? :) Obrigada, beijinhos!

    ResponderEliminar