16 de abril de 2014

A (in)sustentável leveza da recuperação

A semana seguinte à maratona dos Trilhos do Almourol, essa prova fantástica (vamos ver durante quanto tempo vou conseguir gabar-me desta prova sem irritar... Avisem-me!), decorreu com tranquilidade.

Na segunda-feira acordei sem dores, o que muito me surpreendeu, e, depois do trabalho, aproveitei para ir dar uma caminhada, apenas para pôr as pernas a mexer um bocadinho. Devo ter percorrido cerca de 3km.
Na terça-feira, quando abri os olhos, temi acordar com a sensação de ter levado com o armário em cima e não conseguir levantar-me, mas não. Doíam-me ligeiramente os ombros e as coxas, mas suportável, e sem me provocar nenhum andar novo ao subir e descer escadas.
No entanto, foi só já na quinta-feira que resolvi correr um bocadinho. 6km que foram de uma leveza extraordinária! Como se as pernas adivinhassem que eram "só" 6km, à beira-rio, sem desníveis loucos, e batessem as palmas de contentes. Foi uma corrida que soube muito bem e daquelas em que temos a sensação de que podemos correr para sempre, mas não quis abusar.
E, para terminar a semana de recuperação activa, fiz um longuinho à beira-rio, aproveitando o sol do final de tarde de domingo.

Esta semana já irei correr um pouco mais de quilómetros e, quiçá, fazer uma visita à minha Sintra encantada. Não posso deixá-la, e a mim, com saudades.


A prova fantástica que tive nos trilhos de Almourol (já estou a abusar?) veio limpar um pouco a má reputação com que as provas de trilhos em terras ribatejanas, mais concretamente essas com designação de origem árabe, tinham ficado aos meus olhos, desde o desaire do Almonda*.

(* Um aparte para quem for um leitor recente : o Trail do Almonda foi a minha prova mais difícil até ao momento. Caso alguma vez tenham tido uma prova que vos correu mesmo, mesmo mal, podem ir ler esta minha crónica e sentirem-se melhor. Por pior que alguma prova alguma vez vos tenha corrido/venha a correr, podem sempre dizer: "ao menos não foi preciso arranjar um cajado, como aquela outra rapariga". Não precisam de agradecer.)

Mas, como estava a dizer, os Trilhos do Almourol vieram equilibrar a balança. Acho que muito se deve ao facto de, primeiro, não estarem literalmente 42º à sombra e, segundo, ser uma prova repleta de água. Prefiro, sem dúvida, correr em trilhos verdes e frescos, de preferência com vários cursos de água durante o trajecto. Desta vez até tivemos direito a passar por praias fluviais, e com que vontade fiquei de interromper a marcha e dar um mergulho! Psicologicamente acho que me ajuda bastante saber que, em caso de desespero (e mesmo sem desespero, só porque sim) posso refrescar o corpo e as ideias na água fresquinha. É por isso que irei voltar a esta prova e outras, mas muito provavelmente não ao Almonda. Ainda em deliberação.


E agora, para não ser tudo em bom, as recordações físicas com que fiquei de Almourol:
- Arranhões vários nas pernas, um deles maiorzinho, provocado por uma silva que se apaixonou pela minha perna direita e não a queria largar do seu abraço.
- Unha negra no segundo dedo do pé esquerdo. Nos dias que se seguiram à prova cheguei a temer tratar-se de um caso de divórcio, mas acho que ainda há salvação e podemos continuar juntas.
- Um hematoma na coxa da perna esquerda que não me perguntem como aconteceu.
- Umas joelheiras semi-permanentes. Passo a explicar: Bronze desde a marca dos calções até à marca das meias de compressão. Parece que tenho umas joelheiras acastanhadas postas. No duche a seguir à prova ainda pensei que seria sujidade e pó... Era bronzeado. Mesmo a tempo de inaugurar a época balnear em grande!

Marcas de guerra. É parvo dizer que tenho um bocadinho de orgulho? (Ok, das "joelheiras" não tanto...)


20 comentários:

  1. Quem me dera correr como tu, com a "sensação de que podemos correr para sempre" :p

    ResponderEliminar
  2. Aposto que se fosses para a praia agora ias ser um sucesso com esse bronze inesquecível. Já é mau quando o bronze é a marca dos calções, agora apenas aquela zona dos calções às meia de compressão, é topo! ahahah Mas as marcas de guerra são sempre um orgulho, bonitas ou não, e vamos dar graças que deste trail só saíram palavras bonitas ;)

    Quanto a Sintra... sim vem matar saudades, de certo que é mútuo. Sou uma apaixonada pela minha terra, não consigo evitar :)

    ResponderEliminar
  3. :):):) Tens umas joelheiras eu tenho um capacete.

    Ainda bem que o corpo reagiu bem.Boa recuperação.

    ResponderEliminar
  4. Lady V: Só custa começar... ;) Beijinhos

    AqC: Acho que até ir à praia vou tentar disfarçar com auto-bronzeador. :)
    Sim, tenho de aproveitar esta fase das nuvens, até chegar outra prova difícil!
    Sintra me aguarda. :) Beijinhos

    Zémi: Um capacete??! Então, marca do boné? Nas pernas ao menos ainda posso esconder... ;)
    Obrigada!

    ResponderEliminar
  5. Orgulho nas marcas de guerra...sei bem o que isso é, mesmo sem ter entrado e vencido guerras como essa :)

    és admirável e corajosa!

    ResponderEliminar
  6. Olá Rute!
    No dia seguinte ao meu trail curto de Montejunto também optei por um treino leve, meia horinha muito devagar, só para aliviar o peso das pernas e descomprimir. Sempre que é possível, é uma boa opção depois de provas mais duras.
    Também começo a ficar com um bronze peculiar: desde a marca dos calções até à marca das meias, ou seja, até aos tornozelos. Tenho pés e meias coxas copinhos de leite! :)
    Fica bem!

    ResponderEliminar
  7. Ana: Tens várias "guerras", e, se não mais, igualmente valorosas, no currículo! Beijinhos

    Sofia: Sim, dizem que uma corrida leve ajuda à recuperação. Metade das minhas coxas também estão assim, agora tenho usado meias curtas, para ganhar cor nos gémeos! :) Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Rute... podes falar vezes sem conta do orgulho do teu momento que nunca irritarás nem abusarás pois momentos de glória são para ser revividos em permanência pois são eles que nos alimentam as nossas melhores sensações.

    E parabéns pela tão boa recuperação. Prova que o teu limite está bem mais longe... :)

    Beijinhos e, mais uma vez, parabéns! :)

    ResponderEliminar
  9. João: Não tenho ilusões, é claro que treinei e me preparei "bem", mas também tive um bocado de sorte. Por isso tenho de abusar desta fase! ihih :)
    Obrigada, beijinhos!

    ResponderEliminar
  10. Hmmmm....acho que andaste a malandrar, só isso explica a falta do tradicional "empeno" :P
    Isso de fazer um trail durinho, e não sentir nada, e sair por aí a correr (ou caminhar) logo no dia seguinte é de pró!!!
    E sentires orgulho por ficares com umas marcas de guerra? É mesmo assim que deve ser...podias era postar uma foto das joelheiras...hehehe...deve ser bonito ;)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Caríssima, tens TODO o direito de te gabar de como correu a prova e que a paisagem onde cresci, corri, andei de bicicleta, tomei banho ( nos rios Tejo e Zêzere e não em alguns...cursos de água (??) que aparecem em fotos) e...:) AGORA continuar a gabar que o pósmaratona foi sem dores e ...coiso...:), aí já começa a ...vá...custar a ler.
    Mas tenho bom remédio, treino como treinaste e talvez o resultado seja parecido;).
    Quanto às marcas de guerra...sei que nos homens disfarça mais mas mesmo assim...de resto, orgulho e betadine :)
    As melhoras para a unha, não é a mesma de anteriormente, pois não?
    Trabucco de tamanho a menos?
    Bjs
    PS: tu não sei, mas este sábado vou a Sintra, sim...é alcatrão, mas é tao bonita que nem conta ;)

    ResponderEliminar
  12. Não é nada parvo. Deves ter muito orgulho dessas marcas de "guerra" :)
    São as provas daquilo que passaste para conquistar Almourol :)

    Beijinhos e bons treinos.

    ResponderEliminar
  13. Carlos: Não é "falta de empeno", o empeno é que foi fraquinho! Pelo menos em relação ao que estava à espera! :)
    Ainda pensei tirar uma foto, verdade... Mas depois achei que não havia necessidade de partilhar uma imagem dessas. :)
    Beijinhos

    jnr: Vai lá haver uma prova este sábado em Sintra? (Ando mesmo desactualizada das provas de estrada! :)) Ou é algum treino?
    Não é a mesma unha, e os Trabuco já são 2 nrs acima! O problema são as provas com muitas descidas inclinadas, em que o pé descai e as unhas batem na biqueira. Estas provas em "Al" dão-me cabo da pedicure! ;)
    Terra bonita, prometi voltar para vingar o mergulho naquela praia fluvial (não sei o nome :D).
    Bjs e boa prova/treino!

    Isa: É mesmo isso. :) Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Prova, a BES RUNNING, 10 km.
      É bonita, é dura e curta:)
      Á minha medida ( por enquanto ahahah).
      Ah, os Trabucco estão GRANDES:)
      Bjs

      Eliminar
  14. Já te disse e repito muda o nome do blogue para: CORRE COMO UMA MENINA "KAMPIONA"! he he he he
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  15. Jorge: Obrigada. :) Mas acho que vou manter assim, estas marés de frescura vêm e vão. :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  16. Olá Rute,

    Essas joelheiras vão ser um sucesso na praia :)
    O que para uns é um bronzeado á "camionista", para outros é motivo de muito orgulho. :)
    boa recuperação

    Manuel Nunes

    ResponderEliminar
  17. Manuel: Ihih. :) Vão, não vão? Agora durante uns tempos não vou usar as meias de compressão, para disfarçar ao menos essa parte.
    Obrigada, bons treinos!

    ResponderEliminar
  18. Rute, só podes estar orgulhosa dos desafios vencidos.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  19. Obrigada, Vitor! Sim, estou. :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar