14 de junho de 2016

O dia antes

No passado fim-de-semana, quando falava com o meu Pai sobre a minha participação no OMD, ele comentou qualquer coisa sobre a dureza que deve ter sido a prova e eu respondi qualquer coisa como "mas foi muito giro!"...
Ora vamos lá ver! Fazer 106km pela Serra da Estrela não é muito giro. Giro é ir passear à Lagoa Comprida e fazer um piquenique. Giro é ir com a família até à Torre e pisar os últimos e resistentes mantos de neve. Giro é mergulhar ou apanhar banhos de sol na Praia Fluvial de Loriga. Giro é tirar selfies no Vale Glaciar. Fazer 106km pela Serra da Estrela é brutal! Belíssimo, sim, mas duro. No mínimo, é uma experiência inesquecível. O que significa que ter qualificado o OMD 100k+ como "giro", quer dizer que já começo a esquecer o sofrimento e a recordar esse dia sob o véu cor-de-rosa que se torna a nossa memória selectiva.
Não quero esquecer-me daquele momento, entre Unhais e Alvoco, em que disse para mim: "ok, está a ser uma bela experiência mas, daqui para a frente, fica-te apenas por provas mais curtas, como os 50km" (ihihihih). Nem aqueles segundos após cruzar a Meta em que pensei: "a minha primeira vez nos 100km foi perfeita, dificilmente vou superar isto, acho que me fico por aqui." Não me deixem esquecer isso e remetam-me para este texto se (quando?) eu vier para aqui dizer que quero repetir.

De igual forma, não quero esquecer a ansiedade que vivi nas semanas que antecederam a prova, piorando à medida que se ia aproximando a data e atingindo o pináculo naquelas horas de sexta-feira, dia 3, antes da meia-noite. E ficar assim tão nervosa é atípico para mim. Não sei se foi a responsabilidade da distância, de enfrentar o desconhecido, se foi da importância que teria a prova. É que uma coisa é falhar numa prova cuja distância se pode repetir dali a duas semanas, se for preciso. Outra coisa é a prova para a qual a gente se preparou durante meses. Além disso, como já vos tinha confessado, eu não queria apenas os 3 dígitos, eu queria os 3 dígitos na Serra da Estrela e, se não fosse agora, apenas tornaria a tentar em 2017. Penso que tudo isso junto me colocou sob alguma pressão. Pressão totalmente auto-imposta já que, sinceramente, acho que ninguém quer saber, todos compreenderiam se não conseguisse e os meus pais continuariam a gostar de mim na mesma. Na verdade, acho que teria sido um descanso para a minha Mãe se eu tivesse desistido dessa "ideia maluca" que a deixou em cuidados durante toda a duração da prova. Se mais alguma pessoa andou ansiosa para além de mim, foi ela.
Mas voltemos a sexta-feira, dia 3. 

Partida/Meta OMD.

Por volta das 12 horas chegamos a Seia e na praça em frente à Câmara ultimam-se os preparativos. A partida das 100 milhas será às 16 horas. Ainda há tempo para almoçar num restaurante mesmo ali ao lado (esparguete à bolonhesa no menu), ir levantar os dorsais, assinar o termo de responsabilidade e tentar descansar um pouco antes de ir assistir à partida dos atletas que, na sua maioria, iriam andar praticamente dois dias pela Serra. No dia seguinte irei partilhar o caminho e várias palavras com alguns. MUITO respeito. Nunca me deixem sequer considerar uma empreitada dessas.

Partida das 100 milhas.

Depois de assistir à partida a ideia era tentar dormir até à hora de jantar. A palavra-chave aqui é "tentar". Quem é que consegue dormir com um aperto no peito e borboletas na barriga? Sempre que começava a relaxar um bocado, a realidade do que iria viver dali a umas horas atingia-me como uma bigorna e lá voltava a ansiedade. Não adiantava tentar convencer-me de que era apenas uma prova e de que iria fazer o melhor possível e tentar divertir-me. Não é possível argumentar com lógica nestas alturas. O coração vence, e o coração estava decidido a bater o recorde mundial de pulsações naquela tarde. Acredito que nem na subida de Alvoco, no dia seguinte, bateu com tanto vigor. O que significa, portanto, que não dormi, mas ao menos estive deitada e descansei as pernas.

Por volta das 19h foi hora de dar um pequeno passeio para descontrair (ahahah!) e procurar um restaurante. Tal como o meu coração, o meu cérebro também deveria estar a rebelar-se, porque de entre todas as opções inteligentes pelas quais poderia ter optado para última refeição pré-prova, esta foi a que escolhi:

Alheira!
Consta nos manuais de nutrição desportiva, não consta? :)

Eu sei que poderia ter corrido muito mal, mas soube-me muito bem. Graças a Deus, o meu sistema digestivo manteve sempre a calma no meio dos meus nervos. E, quem sabe, não tenha descoberto aqui um segredo de super alimento para ultras? É que tive energia a noite toda, mas não quero fazer já mais spoilers da prova. :)

O pôr-do-sol é sempre um belo calmante natural.

Às 22h foi altura de ir entregar, junto à Meta, o saco que iria seguir para Unhais da Serra, aos 53km de prova. Nesse local, iríamos poder mudar de roupa e até tomar duche nos balneários do Hotel, se necessário. Optei por lá colocar uma muda de t-shirt, outros ténis e meias e até outro top, caso aquele que levasse me começasse a criar assaduras. Coloquei também alguns géis suplentes.

O local de partida, ainda vazio.

De volta ao Hotel, foi altura de começar a equipar para a prova. Tudo o que levava vestido tinha sido testado e sentia-me confortável. A única coisa novidade seriam os bastões, mas não pesavam assim tanto e, a verdade, é que até à saída de Unhais, a primeira vez que pegarei neles, quase que me irei esquecer que os transportava. 

A uma hora da prova a ansiedade atingiu os píncaros. O dia, que pareceu arrastar-se, começava agora a correr a uma velocidade impressionante. Por um lado, eu já não via a hora de começar, porque sabia que os nervos ficariam para trás na Partida.
Antes de sair do quarto, ainda houve tempo para um momento de aquecimento e descompressão, enquanto dançava "shake it off, shake it off" (sim, nas vésperas de correr 100km descomprimi, sem vergonhas, ao som de Taylor Swift. Mas, se me perguntarem agora, irei negar sempre.) :)

Tum-tum, tum-tum... (Batimento cardíaco.)

E são 23h55! (Tum-tum tum-tum tum-tum tum-tum.)



23h58! (TUM-TUM TUM-TUM TUM-TUM TUM-TUM.)



23H59 e os batimentos cardíacos fundem-se com o som dos bombos.

Três...
Dois...
Um...

0h00!


E é hora de começar uma grande aventura.

38 comentários:

  1. Só pela descrição que fazes dá para sentir a ansiedade por que passaste! Parcialmente, porque totalmente só vivendo a experiência mesmo. Pelo menos a partida era colorida, a criança dentro de mim até viu nela um castelo insuflável :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom, não tinhas um castelo insuflável mas tinhas marafonas. :) Também ajudavam ao colorido.
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Rute estás desgraçada! Aliás ficaste desgraçada desde aquele dia que atirei uma menina que corre aos leões na Corrida do Monge.
    A parti desse dia fatídico ficaste, irremediavelmente, apaixonada pela montanha e pelo trail.
    Tenho duas notícias muito tristes para ti: essa paixão pela montanha é uma doença incurável, para toda a vida e que vai piorando. E fruto dessa doença galopante vais continuar a fazer uma data de insanidades e num desse actos de loucura iras correr as 100 milhas do Oh Meu Deus. Claro que imediatamente a seguir a concluíres uma insanidade vais jurar a pés juntas que estás curada, que nunca mais voltaras ao caminho da loucura mas isso é uma característica da própria doença e umas horas, ou dias depois, já estarás a imaginar a próxima loucura.
    Pois é menina que corres que nem uma campeã estás, irremediavelmente, no caminho da perdição!
    Beijo grande
    Nota: Esta e todos os teus textos sobre a grande aventura vão para OS APLAUSOS PARA lá no Uk.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Jorge. É uma responsabilidade essa menção honrosa no UK! :) Não posso adiar muito mais a escrita da aventura (que já está em desenvolvimento).
      100 milhas é demasiado! Sobretudo com aquele desnível brutal. Bem vi o que passaram! Mas, por outro lado, se algum dia o fizesse, só poderia ser ali...
      Mas NÃO! Nem pensar! ;)
      Beijinhos

      Eliminar
    2. Quero ver quando dura "NÃO! Nem pensar! ;)" Mas também te confesso uma coisa o pessoal exagera na quantidade de ultras que faz por ano e isso acaba por se pagar mais tarde ou mais cedo. A não ser em alguns casos excepcionais de atletas que têm um genética do outro do mundo e conseguem fazer isso sem problemas.
      Eu acho que desafios brutais como o que tu fizeste ou outros ainda maiores com 100 milhas devem ser feitos para ai de 2 em 2 anos ou seja fazer um ano mais calmo e outro com um grande desafio. É o ideal tanto do ponto de vista mental com físico. Por isso lá para 2018 a Rute nas 100 milhas na sua serra não é disparate nenhum! Beijinhos.

      Eliminar
  3. Muito bom!
    Não contes é comigo para não te fazer esquecer aquelas frases. Se quiseres repetir, em vez de te relembrar essas frases ditas no calor do momento, apoio-te! :)

    Ao ler todos esses nervos, ansiedade, semi-pânico antes da prova, recordei-me com um sorriso de como foram os 2 dias anteriores à minha estreia em Maratona (ou a semana completa antes da que foi na realidade a 2ª após o que sucedeu na que seria 2ª).
    Na altura não é nada fácil mas depois fica-se como uma recordação "engraçada".

    Fiquei aguado para a continuação da epopeia :)

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O tempo, para fazer esquecer as dores de uma prova, é um perigo, um perigo! :) Mas acho que por este ano já foi desafio suficiente!
      Sim, agora tem piada relembrar, mas na altura estava uma pilha! :)
      Beijinhos

      Eliminar
  4. Para aperitivo...

    É engraçado, interessante?, ver como a tua escrita muda quando estás a escrever sobre a "ralação" que provocaste à tua mãe e depois quando descreves as borboletas antes da partida.

    Alheira??? Onde, só já vi batatas e ovo...e não houve hidratação?
    Não aprendes nada com o Cardoso??? ;)

    Bjs, menina que corre que se farta!

    PS: Parabéns pelo pódio, para estreia em 100 km (aka, a distância de Lisboa a Torres Novas pela A1) é espetacular!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hey ... olha que eu estou aqui!!!

      Eliminar
    2. O pódio foi resultado de circunstâncias às quais sou alheia (desistências e desclassificações), daí nem o mencionar, mas, independentemente disso, fiquei muito orgulhosa pela minha resistência.
      E a alheira está lá, debaixo do ovo e do presunto! Mas só já metade porque, ao contrário de outros bloguistas, nunca me lembro de fotografar os pratos. ;) E é verdade, bebi água ao jantar, sou uma tenrinha... Quiçá o lugar no pódio tivesse sido outro, tivesse eu apostado numa hidratação à Cardoso! :D :D :D
      Obrigada!
      Bjs

      Eliminar
    3. @Cardoso, elogios, apenas e só...tá,)

      @Menina, pára de desvalorizar o feito, desistências e desclassificações...de outras.

      Não sei se o resultado era outro, mas se calhar as borboletas descansavam um pouco:)

      Fizeste-me ir ver a musica ao YouTube... mehh.

      conheço um marmanjo de barba rija que gosta do Hung Up da Madonna.

      Eliminar
    4. Time goes by... So slowly.
      O teu segredo está bem guardado cmg. ;)

      Eliminar
    5. "O pódio foi resultado de circunstâncias às quais sou alheia (desistências e desclassificações), daí nem o mencionar"

      Rute... não retires mérito a algo que tem TANTO mérito!
      Houve desistências, desclassificações, pouca participação? Isso só vem dar mais valor ao teu pódio! É uma prova que poucas se aventuram porque está ao alcance de um número muito reduzido de atletas. E tu és uma delas! Tens que estar de parabéns pois é algo de fantástico! Não é uma questão de vaidade mas dum orgulho muito sentido.
      Portanto... não faças isso a ti própria. Dá TODO o valor que esse teu grande feito merece :)

      Beijinhos e PARABÉNS pela décima milionésima vez mas que ainda é pouco :)

      Eliminar
    6. Sim, João, se calhar expliquei-me mal. Eu estou muito orgulhosa do meu feito!!! Mas já estava antes, mesmo que não tivesse ido ao pódio. Custou-me muito, e persisti.
      O pódio, claro, gostei da experiência, já que só me tinha acontecido uma vez e na altura não estive presente na cerimónia. Completou o fds perfeito que foi. :)
      Beijinhos

      Eliminar
    7. Desistências e desclassificações fazem parte ... por isso, um pódio bem merecido ...chegaste ao fim e cumpriste a regras e deu para um pódio ... excelente!!
      Beijinhos

      P.S. eu queria mesmo era um vídeo que me foi prometido ;)

      Eliminar
  5. OK! Então já temos o prefácio. Já não é mau... :)

    Venha de lá o resto do livro que também já tenho o tum tum tum só por causa do que vais escrever!

    Tive que ir ao Google ver quem era a Taylor Swift... afinal conhecia e até gosto! :P

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lol :)
      Taylor Swift não é muito o meu estilo de música, mas o Shake it Off é o meu guilty pleasure... ;)
      Beijinhos

      Eliminar
  6. Muitos parabéns! É simplesmente espetacular :)

    ResponderEliminar
  7. Menina .. agora é assim? Aos bocaditos? Queres matar aqui o velhote de ansiedade? Olha ... espectaculo esta tua posta, mais uma ... o meu coração velhinho aumentava as pulsações enquanto lia. Tou com o Jorge ... um dia destas estás batidinha nas 100 milhas ... tens tempo. És uma chavalita ainda ;)
    Alheira antes de uma prova assim é bom ... melhor só uma francesinha :P
    Beijinhos e manda mas é o relato da prova que a gente não aguenta esperar mais

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem de ser, a crónica em si está a ser escrita aos poucos porque não quero ter de fazer parte 1 e parte 2 como o ano passado. Vai é ficar um livro, depois tens de sentar-te confortável e com algo para comer. :)
      As 100 milhas são uma coisa assustadora! No final ainda passei a primeira classificada e bem vi como não estava nada fácil para ela (até ficou "assustada" que eu fosse uma atleta da prova dela para lhe roubar o primeiro lugar :D). 100km já foram dureza suficiente!
      Uma pessoa a pedir para me meterem algum senso na cabeça e vocês só a provocar. Obrigadinha, com amigos assim... :P
      Beijinhos

      Eliminar
    2. "francesinha" ??? chamaram-me ??? :P que saudades...

      Eliminar
    3. Artur amigo ... quando se dignarem a vir aqui ao norte conhecer o meu quintal, vais comer a melhor francesinha do mundo ... feito pelo Perneta himself.
      Abraço

      Eliminar
    4. Uhuuuuuu... Rutezinhaaaaaa ... adormeceste rapariga???? Eu tou aqui à duas semanas à espera ... e pronto ... era só isto!!!
      Beijinhos

      Eliminar
    5. Tens razão!!! Não tenho vindo ao meu nem aos vossos blogues! Semanas complicadas.
      Vou escrever "o livro" e depois já te faço uma visita. :)
      Beijinhos

      Eliminar
    6. Pois não és o único à espera :)
      Todos os dias antes de ir dormir lá venho eu aqui ver se há novidades... e como não há lá tenho de ir ler um tal blogue de um perneta :P
      Sim há quem leia livros antes de dormir, eu vou ler blogues :))
      E ainda vais escrever????!!!

      Eliminar
    7. Calma, já estava um bocado escrito, depois tive de parar. :)
      O que vale é que o Perneta actualiza com regularidade, para teres leitura antes de dormir. Eheh... ;) Mas acho que ainda consigo publicar antes dele ir ao CCC! :D
      Beijinhos

      Eliminar
    8. Bem... continua sem novidades, lá vou ter de ir até outro estaminé! ;)

      Eliminar
    9. Eu vi logo que o aumento de visualizações tinha que ter um motivo ... passou de 2 visitas semanais para 3 ;) ... isto é tudo muito bonito (Edgar, és sempre bem vindo) mas eu quero é fazer uma viagem à serra da estrela :) ... pronto ... acaba lá com essas semanas complicadas mas é :) ...
      Beijinhos

      Eliminar
  8. quero ver e ouvir , quando a frase "afinal não foi assim tão dificil" , vai demorar a ser dita !! :P

    De Arga , foi a mesma coisa. ;)

    O nosso corpo e a nossa condição humana , é muito "traiçoeira" ! ;)

    Sabes bem que daqui a uns tempos , isso tudo que passaste no "pré" , vai ser tudo "relativizado" (para não dizer esquecido) , ...não na tua mente , isso não o vais esquecer pois é uma coisa fascinante a "nossa" primeira distancia de 3 digitos... , mas sim , o teu corpo\organismo\eapartedocerebroquenãopensa , e vais querer lá ir outra vez...e sempre, todos os anos...

    ...Porque simplesmente é uma coisa que nos fascina , que nos faz bem , faz-nos sentir vivos , é desafiante e inesquecível...

    Venha de lá a cronica\livro , que já á muitos anos que não leio uma coisa dessas. :P

    bjs
    ajb

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei se vou querer lá ir "sempre, todos os anos" mas não, não foi assim tão difícil.
      Mas só porque a minha imaginação criou cenários muito piores que não se concretizaram (cãibras, bolhas, assaduras...) Mas SIM, foi difícil. Claro!
      Foi difícil para todos, no fim já todos corriam tipo pinguins, como disseste. :) Apesar de achar que era só eu.
      E também é tudo isso, fascinante, desafiante, inesquecível.
      Bjs
      PS: E Arga foi horrível, sobretudo os últimos 20km!:D Não me esqueci... :P

      Eliminar
  9. Muitos parabéns pela garra, força e determinação que te levaram a alcançar a tão desejada meta dos três dígitos. Aguardo a crónica dessa grande aventura que certamente terá sido fantástica. Beijinho. Susana Fonseca

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Susana!
      Foi mais fácil pois estava onde queria estar. :)
      Beijinhos

      Eliminar
  10. Tu gostas de provocar :) ainda não é desta que leio a tua corrida, ou corro com a tua escrita.

    Tens sorte nos pais... 😊 não vejo nenhum problema na comida, se desse a volta à barriga, que desse. Há mato...

    A do saco aos 53 kms é uma boa estrategia. Ver se me lembro.

    What? Dancaste o shake it off? 😊

    Para quando a cronica (s) final (is)? Leva nos contigo please. Estás a fazer uma redução das memorias da corrida em lume brando? Para ficarem apuradas?

    Beijinhos e boa recuperação

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem sido uma espécie de depressão pós-parto do OMD, misturada com alterações laborais. :)
      Havia muito mato, e escuridão para manter as coisas discretas, em caso de dores de barriga... :) Mas depois perdia-se muito tempo, e o tempo estava contado nesta prova. ;)
      Penso que nas distancias assim grandes existe sempre um local onde podes ter uma mochila de apoio. Eu, por acaso, acabei por trocar só de tshirt. Mas podia dar jeito a mudança de ténis e meias, caso estivesse com bolhas.
      Dancei o shake it off?? Nãoooo! Nunca. Onde leste tal coisa? :P
      A recuperação foi rápida, o regresso aos treinos é que não. :)
      Beijinhos

      Eliminar
  11. Anónimo14/7/16

    E pumba! Anda a pessoa distraída e sem passar por cá…(sim eu sei!..só desculpável por ser uma fase que nem para treinozinhos consigo tempo…) e ela afiambrou-se só, e apenas!, com 106 km!, e aonde?! Oh! Nada de especial! Na planura da Serra da Estrela. E foi! E cumpriu!! E sobreviveu para nos enzucrinar a cabeça com o que acabou de fazer. E que foi giro! E que foi duro mas incrível e inesquecível! E … esperem aí um bocadinho que eu vou ali matar-me e já volto… Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eheheh... Então passa por cá amanhã outra vez, que já ficas com leitura para o fim-de-semana. :)
      Bjs

      Eliminar