10 de janeiro de 2017

Do outro lado de uma prova (voluntária num abastecimento)

Hoje estou aqui para falar da experiência que tive como voluntária numa prova. Era algo que sempre quis fazer e acabou por vir numa boa altura. Tal como já disse, por vezes, é importante tirar o foco de nós e orientá-lo para os outros, para aprender a relativizar. Portanto, adianto desde já que fui voluntária, mas fui eu quem acabou por receber mais desta experiência. Mas comecemos do início.

Custou um bocadinho, mas tive de pôr a mão na consciência (e nos pneus que se começavam a acumular da falta de treino) e admitir que não estava preparada para participar novamente na versão ultra da Ericeira Trail Run. Não é uma prova com um percurso particularmente bonito ou desafiante, mas acaba por ser uma boa forma de terminar o ano das corridas, num local pelo qual tenho algum carinho, e, além disso, gostava da ideia de me manter totalista.
Estando excluída a participação na prova dos 50 km restava a participação nos 20 km mas, depois, surgiu uma oportunidade ainda melhor, quando vi que procuravam voluntários para ajudar nos abastecimentos. Seria totalista, mas não como atleta.

E foi assim que, às 8h30 da manhã desse Sábado, estava no local combinado para nos dirigirmos para o nosso posto. Neste caso, seria o PAC 3 (correspondente ao PAC 2 da prova mais curta), na Senhora do Ó, respectivamente aos 30 e aos 15 km de cada prova.

Chegando ao local, a ultra já tinha tido início há cerca de 15 minutos, mas o trail curto só se iniciaria às 9 horas, o que dava alguma margem para irmos organizando as coisas. E que coisas são essas? Por exemplo, montar as mesas, fazer o inventário do que fica e vai para outros abastecimentos e descarregar as águas, outras bebidas e alimentos da carrinha.
Tenho a dizer que, como sempre, os homens ficam com o trabalho mais pesado e as senhoras trataram da disposição dos alimentos nas mesas.


Tudo arrumadinho, à espera dos atletas.

Foi engraçado porque, nesta parte, apercebi-me como o facto de ter participado em provas ajuda a perceber o que poderá fazer falta e a maneira mais prática de dispor as coisas. Por exemplo, colocar logo umas quantas tostas já com o mel, para os atletas que vão com mais pressa não estarem a perder tempo e saber, de entre os alimentos, os que têm mais saída. Para mim, existe uma Santíssima Trindade nos abastecimentos, que é: bananas, marmelada e... tomate com sal! Poderia haver alguns abastecimentos só com isto, tudo o resto é acréscimo. A senhora que estava a tratar dos alimentos comigo não tinha ideia da fama deste último (compreensivelmente, pois nunca tinha participado numa prova), mas eu disse logo que seria das coisas mais consumidas, a par das míticas bananas, e acertei. Muito gostamos nós, os atletas de trail, de tomate com sal! É daquelas combinações que sabe melhor numa prova.

Depois, ficámos a aguardar o contacto do PAC 2, que nos informaria quando os primeiros atletas passassem, para podermos começar a tratar da fruta (não quisemos cortar logo a banana para não começar a ficar negra. Quem são os voluntários mais queridos e preocupados, quem são?)

Vista do abastecimento.

Estradão por onde surgiam os atletas.

Entretanto começam a chegar os primeiros atletas que, como seria de esperar, não param no abastecimento. Por enquanto são apenas ainda os atletas dos 20 km, que chegam aqui com 15 km de prova e continuam disparados. Como havia uma separação dos dois percursos uns 50 metros mais à frente, temos de ir sempre avisando, porque nem imaginam a quantidade de atletas que vai tão focada que nem vê as placas!

Depois, deu-se aquela que penso ter sido a única falha do nosso abastecimento. Um dos atletas que ia, penso, nos dez primeiros, e dos poucos que parou para abastecer, perguntou-nos pelo CR7... Pois é, sabiam que tínhamos a presença do Cristiano Ronaldo no nosso abastecimento?!

Aqui está ele.

(Parece que agora o futebolista madeirense também dá a cara numa bebida energética.) O problema é que houve um atraso no transporte do isotónico em questão, de um abastecimento para o outro, e só chegou já tinham passado os primeiros atletas. Foi só um atleta que deu pela falta e foi um atraso de apenas uns dois minutos, mas não interessa. Mesmo que a restante prova corresse bem, este atleta já teria pelo menos esta queixa (justificada).  Ficámos um pouco chateados com essa situação... Mas bom, daí para a frente não faltou nada e estávamos sempre atentos para ir repondo os alimentos mais solicitados (sem surpresas: tomate, laranjas e bananas.)

Enquanto os corredores vão espaçados é fácil estar sempre em cima do acontecimento - apontar o número do dorsal, encher depósitos de água, arranjar recipientes para aqueles que não levam copos (embora no regulamento constasse que não haveria copos nos abastecimentos e cada atleta ficaria encarregue de levar o seu), o problema é quando o pelotão engrossa e começam a chegar cinco... dez... quinze atletas de cada vez. Nesta fase limitei-me a apontar o número de dorsal, para que pudesse haver controlo e comunicação entre abastecimentos, para saber se ninguém se teria perdido ou desistido entre um e outro.

Quando o pelotão começa novamente a alargar-se, fui ajudar com a hidratação. Água e coca-cola são as opções mais concorridas, mas não imaginam as mixórdias que se fazem para ali! Por exemplo, pó+cola+água+CR7, TUDO misturado. Desde que que funcione e não provoque nenhum desarranjo intestinal mais à frente... Vale tudo! :) Quanto ao CR7, eu própria o provei (salvo seja!) numa fase mais calma e tenho a dizer que é um isotónico espectacular...mente banal! Nem gritei um "Síiiiii" quando o bebi, nem saí dali a fazer fintas artísticas com a bola. Uma desilusão... Se dará mais power para correr não sei, porque não abandonei o posto, mas os atletas que provaram, gostaram.

Por volta do meio-dia, uma hora da tarde, as coisas começaram a acalmar. Nesta liga dos últimos vi alguns atletas com os quais já partilhei muitos quilómetros em provas, inclusive o grupo de quatro ou cinco atletas com que tinha feito grande parte desta prova no ano anterior. Foi muito giro.

Às 14 horas já só faltavam passar três atletas e fomos recolhendo as coisas que já não seriam necessárias. Dois desses atletas apareceram pouco depois. Era corredores de primeiro terço do pelotão, da ultra, mas que se tinham perdido logo a seguir ao primeiro abastecimento, seguindo por engano as fitas da prova mais curta. Chegaram lá a contar as peripécias pelas quais tinham passado, que incluíam atravessar o rio com água quase até à cintura... Mas vinham animados e encararam o engano com bom espírito. Que tenha tido conhecimento, mais ninguém se perdeu.
Finalmente, a última atleta era uma senhora alemã que estava por Portugal de férias, viu o anúncio da prova e acabou por inscrever-se. Nada como descobrir um país através dos seus trilhos!

Abastecimento ao fundo.

E pronto, a minha primeira experiência junto a uma organização de uma prova foi esta. Penso que não será a última. Foi interessante saber como se processa o "outro lado", para dar valor, embora já o fizesse antes. Acreditem que ninguém fica mais chateado quando alguma coisa corre mal do que aquelas pessoas que ali estão. Salientando o facto de que a maioria está ali como resposta a um pedido de ajuda, e não sabe nada da prova, apenas do local onde está, por isso, se não ajuda mais, é porque não consegue. Não foi este o caso. Eu, por acaso, já conhecia o percurso, mas a Organização convidou os voluntários para uma reunião prévia, de forma a informar e distribuir tarefas. Infelizmente não pude estar presente, mas notou-se que havia ali vontade de integrar os voluntários, para os mesmos não sentirem que caíram ali de pára-quedas, como às vezes acontece em algumas provas.

A maior parte daquelas pessoas está ali a disponibilizar o seu tempo, sem receber nada em troca, por isso merece, no mínimo, o nosso (dos atletas) obrigado. No dia seguinte a esta experiência, voltei a estar do lado dos atletas. Ia em modo Walking Dead, mas nunca me esqueci de agradecer. ;)

18 comentários:

  1. Que máximo! Aplaudo-te de pé! =D <3

    Um beijinho dourado,
    O Biquíni Dourado
    Facebook
    Instagram

    ResponderEliminar
  2. Muito, muito interessante e informativo.

    É muito importante estarmos nas diversas vertentes para melhor percebermos as coisas e fazermos bem.

    A tua experiência como atleta ajudou no cuidado da mesa e decerto que a experiência como voluntária te irá ajudar como atleta.

    E sim, é uma preocupação que tenho nos reabastecimentos. Leve ou não alguma coisa, agradeço sempre e saúdo os restantes. Aquelas pessoas estão ali para nós. E já apanhei algumas que estoicamente se aguentavam com condições atmosféricas terríveis.

    Muitos parabéns pela experiência e obrigado pela partilha em forma de excelente texto.

    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, João! :)
      Agora que referes as condições meteorológicas, este ano, realmente, tivemos muita sorte! O ano passado lembro-me que estava uma ventania horrível, o que decerto é pior para quem tem de estar ali parado.
      Beijinhos

      Eliminar
  3. É sempre bom ver o outro lado.

    Fico(amos?) a aguardar o relato da Walking Dead.

    Beijinhos

    PS: Ursa, Walking Dead, com que mais nos vais presentear??

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que daqui para a frente (2017) seja só gazela, chita, e outros animais igualmente elegantes e velozes! Lol :)
      Beijinhos

      Eliminar
  4. Olá Rute!
    As experiências de voluntariado enchem a alma! Há qualquer coisa de multiplicador quando dividimos ou partilhamos tempo e preocupação com outros (desconhecidos ou não), que vão precisar de nós em determinado momento.
    Parabéns, repete que faz bem, e quem precisa agradece! :)
    PS: Não te esqueças de correr!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá!
      Sim, tens razão. Costumo fazê-lo extra corrida, mas, desta vez, achei que a corrida já me deu tanto que estava na hora de retribuir. :)
      Beijinhos
      PS: Aquele troço do Caminho, acho que vou fazê-lo! Depois conto. :)

      Eliminar
  5. Boa menina!!! Tb já estive num abastecimento de um free e diverti-me à brava ... e comi tanto como os atletas todos juntos ... nham :)
    Olha lá, quando vieres aos Pernetas, vens um bocadinho mais cedo para fazeres o Briefing à malta que vai para os abastecimentos.
    Por falar nisso ... já te inscreveste? Não me lembro de ver o teu nome na lista por enquanto!!!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahah, isso é porque tiveste muito tempo livre! :P Estou a brincar, dava para ir petiscando. :)
      Ainda não me inscrevi!!! Para além de fazer o briefing, dá para ser vassoura? Assim tenho desculpa... ;)
      Beijinhos

      Eliminar
    2. Siiiimmm!!! Good broom and bad broom (versão "good cop and bad cop" dos vassouras):p
      E posso levar uma vassoura verdadeira como acessório? (faz parte da minha visão da função... Lol) :)
      Temos de combinar isso!

      Eliminar
    3. Vamos tratar disso :) ... falamos daqui a uns dias.
      Fixe!!!
      Beijinhos

      Eliminar
  6. A sério? Olha, estou genuinamente contente! :)
    Tudo contadinho sff!

    ResponderEliminar
  7. Excelente perspectiva. Se há pessoal que admiro e tento ser o mais gentil possível é o pessoal dos abastecimentos. :)

    (já devo estar com alguma fome, que na primeira foto, ao lado das laranjas, pareceram-me salsichas em lata... já ia perguntar onde parava a mostarda, haha!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Salsichas em lata?? As bananas??! Ihihih... Vai mazé almoçar... :P Mas, agora que falas nisso, acho que já vi salshichas em abastecimentos! Daquelas pequeninas, de cocktail. :D
      Beijinhos

      Eliminar
  8. Gostei muito de ler, é realmente giro conhecer o outro lado!
    Agora estou a sentir-me um E.T. por nunca ter comido tomate com sal numa prova :P Costumo comer laranja ou assim, mas também não sou fã de tomate no geral :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O sal é para repor os sais perdidos. Quanto maior a prova (ou o calor/quantidade de água ingerida), mais importante é.
      Confesso que as laranjas também me sabem sempre muito bem, mas as bananas continuam no primeiro lugar do pódio, para mim. :)
      Beijinhos

      Eliminar