4 de maio de 2017

Cork Trail


- Olha lá, Coruche é Alentejo ou Ribatejo?

Que os leitores da zona, se tiver algum, me desculpem, mas assumo aqui a minha ignorância e a vontade de aprender. O engraçado é que não obtive uma resposta firme e, mesmo após uma rápida consulta googliana, não fiquei completamente esclarecida. E o principal motivo para querer esclarecer esta dúvida era para saber se poderia considerar o Cork Trail como a minha estreia em trilhos alentejanos. Parece que não...
Mas, de uma coisa tinha a certeza: neste riba Tejo além do Tejo, ia estar um dia de muito calor.


Com uma Primavera recém-inaugurada em força, e o receio de haver poucas sombras, ia preparada para o pior, mas acabou por não ser assim tão mau. Sim, o percurso tinha muito estradão exposto mas, para minha surpresa, percorremos vários single-tracks em zonas arborizadas, claramente muito frequentados pelo pessoal de BTT da zona.


O Cork Trail são 23 km com 650m D+, o que a torna uma prova muito corrível para trilhos. Basta dizer que o primeiro classificado a completou pouco abaixo da 1h50. Eu, que demorei só um bocadinho mais que isso ;), também achei a prova acessível, embora o constante carrossel também seja desgastante.


Havia algumas subidas mais a pique e complicadas, mas sempre curtas. Inclusive uma, logo ao início, que parecia uma autêntica duna de areia, poucos metros depois de termos atravessado um pântano alagado. Fiquei logo ali com mais dois quilos de peso nos ténis.


Tentei correr sempre nas rectas e quando o terreno o permitia, mas ali para o km 10 tive uma quebra e começou a ficar complicado. É nestas alturas que tudo nos incomoda: o calor, o toco de 2 cm no meio do trilho, as moscas, o pólen... e as placas deixadas pela organização. Esta que se segue, do fatídico km 10, parecia que era mesmo a gozar comigo!

"Em grande forma"... Pfff!

Felizmente, depois do segundo abastecimento, pelo km 14, as coisas começaram a melhorar. O sol estava cada vez mais quente, mas estávamos a atravessar uma zona com árvores e sombra e isso ajudou.


Passámos umas quantas pessoas que estavam a quebrar devido ao calor, mas eu agora queria era acabar mais depressa para não apanhar as horas mais quentes. Não foi fácil, sobretudo numas últimas subidas que ainda nos estavam reservadas no final, com as respectivas descidas mais técnicas onde, desta vez, fui eu a dar um grande bate-cu, embora sem gravidade.


Na passagem pelo último PAC tivemos direito a um chuveiro de água fria, o que deu para me refrescar quase, quase, até à Meta, não fosse aparecer ainda uma última subida que me deixou a ferver em todos os sentidos - "Para quê ainda esta subida aqui a 1 km do fim, para quê??!!" - mas a Meta lá aparece e eu até consigo acelerar para a cruzar, ultrapassando mais dois atletas incautos a 200 metros do fim.

Tinha-se passado um mês desde Vila de Rei e os treinos estavam reduzidos ao mínimo, por isso sabia que não podia esperar muito, mas estava com saudades dos trilhos e achei que 23 km e 650m D+ eram uma forma "acessível" de voltar. Não contava com o calor que estava nesse dia, confesso, mas à nossa chegada tínhamos a bela da bifana e uma mini, portanto acabou tudo bem. :)

25 comentários:

  1. Tudo está bem quando acaba bem!
    Gosto muito quando as placas de quilómetros não são apenas números mas também frases de encorajamento.
    Curiosamente foi em Coruche, numa Corrida das Pontes, que vi pela única vez as placas ao contrário. E por contrário quero dizer que não indicavam quantos quilómetros tínhamos feito mas sim quantos faltavam. Confesso que baralhou um bocadinho.
    E sim, Coruche ainda é Ribatejo e distrito de Santarém. Está é na fronteira.
    Beijinhos e boas corridas :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aqui eram todas assim, para incentivar. :)
      Também recebemos o panfleto de publicidade à Corrida das Pontes, acho que é mais ou menos por esta altura, mas ali, sem sombras... naah! :)
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Ficas-te bronzeada??? Pelo menos isso :P
    Essa prova era capaz de me dar sede ... o que me agradou mais e que era capaz de me convencer foi a parte final da Bifana com mini :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bronzeado à atleta, versão camionista dos trails! :P
      Dava sede e muitaaa! Aquele estradão com o sol a bater...
      A bifana era quase tão boa como a sabe dos Pernetas, quase... ;)
      Beijinhos

      Eliminar
  3. Do que tu me foste lembrar!... Apesar de só ter feito os 15km, tivemos muitas partes do percurso em comum, e lembro-me bem dessa subida depois da água (lama?) até aos tornozelos... E lembro-me bem do calor, também! Bebi a água toda que tinha na camelbak e ainda bebi mais uma quanta nos abastecimentos!

    Ainda bem que te correu bem e que foi um bom regresso :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, lamaçal! Ainda bem que não tinha chovido muito nos últimos tempos, aquele terreno iria estar muito pior.
      Eu nem levei mochila, vê lá bem. Mas levava uma garrafa comigo.
      Parabéns pela tua prova!
      Beijinhos

      Eliminar
  4. Olá!
    Coruche, é além do Tejo, mas ainda Ribatejo! :)
    Nestas zonas não há grandes elevações. O método de partir pernas é o sobe e desce.
    Beijinhos e boas corridas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá! Sim, parece ser isso. ;)
      Este sobe e desce não é o meu favorito, mas também não ia dar para mais, confesso!
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Antes de ler o resto: RIBATEJO!

    ResponderEliminar
  6. Tive pena de não ir a esta, Coruche é uma espécie de segunda casa, há uns bons anos que tenho tido sempre trabalho por lá. Por outro lado, confesso que as provas de carrossel parte pernas cada vez me seduzem menos. Enfim, são gostos, claro. Pelo menos a bifana devia estar boa :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carrossel e sequinho, sequinho! Prefiro montanhas e água a correr, mas tenho de fazer um trail no (verdadeiro) Alentejo, raios! :)
      Beijinhos

      Eliminar
  7. "Desde 2002 que Coruche integra a região estatística (NUTS II) do Alentejo e na sub-região estatística (NUTS III) da Lezíria do Tejo; continua, no entanto, a fazer parte da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo, que manteve a designação da antiga NUTS II com o mesmo nome. Pertencia ainda à antiga província do Ribatejo, hoje porém sem qualquer significado político-administrativo, mas constante nos discursos de auto e hetero-identificação."

    Coruche fica portanto na twilight zone.

    Bom regresso :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Portanto...NUTS!

      Eliminar
    2. Pois que foi mesmo isso que li e fiquei na mesma!:D Outras páginas também não ajudaram. Mas o consenso parece ser Ribatejo, pelos ribatejanos aqui presentes!:)
      Obrigada.
      Beijinhos
      PS: Yes, NUTS!:P

      Eliminar
  8. Ribatejo, pah.
    Portanto este ano estás tão forte que até ponderas voltar ao Almonda, só para vingança, é isso?

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas em que parte do "quebrei aos 10km" achas que estou forte??!! :P
      Almonda JAMÉ, como dizia o outro. ;)
      Beijinhos

      Eliminar
    2. É impressão minha, ou "aquilo" é muito arenoso?

      Pergunto pois é caracteristica da zona e das poucas vezes que para esses lados fui em modo desporto (BTT) era só isso que apanhava.

      E eu areia, só na praia e mesmo assim...

      Assim, o "quebrei aos 10km" é muito bom.

      #muitaforte

      beijinhos

      Eliminar
    3. Sim, é um pouco arenoso e com muito "calhau pequenino" (tenho a certeza que é este o nome técnico ;) ). Não sou fã, pois tenho tendência a torcer os tornozelos neste tipo de terreno. Não é "técnico", uma pessoa vai mais na descontra, mas...
      As descidas são especialmente complicadas. Acho que é melhor para btt que para correr, sobretudo aqueles estradões expostos, que se despacham mais rápido.
      #muitafé :)
      Beijinhos

      Eliminar
  9. Primeiro que tudo, nunca correste no Alentejo????? Como é possível? =P
    O ano passado também fizemos esta prova e gostámos e a bela da bifana no final sabe sempre bem :)
    Parabéns pela prova! E continuação de bons treinos.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, é uma grande lacuna no CV! E no Algarve também não, já agora... :) Se calhar porque associo estas zonas a calor, coisa com a qual não me dou muito bem. Prefiro calhaus e água. :) Mas um dia destes actualizo o portfólio. ;)
      Obrigada!
      Beijinhos

      Eliminar
  10. Com o devido atraso: sendo rigoroso é Alentejo, mas "rés-vés Campo de Ourique" até porque faz parte do distrito de Santarém. O melhor é mesmo olhar para o NUTS III e dizer que faz parte da sub-região da Lezíria do Tejo.
    Eu também tenho "traumas" destes com a minha terra. :)
    Por via das dúvidas, inscreve-te noutro onde não haja este tipo de questões. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, bom! Então, com jeitinho, talvez ainda tenha corrido no Alentejo. ;) E a prova até foi em Erra, um pouco para lá de Coruche.
      Por acaso devia ter perguntado aos locais qual a visão deles sobre o assunto.
      Obrigada!:)
      Boas corridas!

      Eliminar
    2. Resolvi-te essa questão. Perguntei a uma conterrânea minha e colega de equipa, mas que é filha da (t)Erra e familiar de um dos membros da organização do Cork. A resposta dela é elucidativa:

      "RIBATEJO!!! Não há dúvidas!!! Ok, fica quase na fronteira com o Alentejo e as parecenças são evidentes, mas é Ribatejo! Eu sou 100% Ribatejana!!!"

      Beijinhos e boas corridas!

      Eliminar
    3. Pronto, quem sabe, sabe! ;)
      Beijinhos

      Eliminar